As controvérsias de Van Dunem

O governo, apesar dos concursos “pour épater le bourgeois”, não abdica de colocar aqueles que bem entende, independentemente da classificação atribuída nos concursos.

Tópico(s) Artigo

  • 14:22 | Quarta-feira, 07 de Outubro de 2020
  • Ler em < 1

As polémicas com a nomeação do novo procurador europeu geradas pela eliminação da candidata mais bem classificada no concurso realizado podem conjecturalmente provar duas coisas:

O mérito e a competência não são fundamentais;

O governo, apesar dos concursos “pour épater le bourgeois”, não abdica de colocar aqueles que bem entende, independentemente da classificação atribuída nos concursos.

José Guerra foi o nomeado. Porém, um júri composto por 12 personalidades do mais alto nível “considerou como o melhor candidato ao cargo a magistrada do Ministério Público, Dra. Ana Carla Almeida, responsável no Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP) pelos processos relativos a fraudes nos fundos comunitários”.

Mais, ao que se apurou, o escolhido pelo governo, 2º classificado no concurso, foi colega da ministra da Justiça, Francisca Van Dunem, no DIAP de Lisboa, que veio afirmar que “o percurso profissional do magistrado escolhido é superior ao dos outros candidatos”. Fundada em que límpidos critério?

José Guerra vai assim, mesmo com o processo de selecção “inquinado” para procurador europeu nacional na Procuradoria da EU, órgão independente de combate à fraude… começou bem.

A Justiça portuguesa, depois do vendaval que recém passou pelo Tribunal da Relação de Lisboa, dispensaria bem estas querelas sobre o rigor das “selecções”.

Gosto do artigo
Palavras-chave
Publicado por
Publicado em Opinião

Office Lizenz Kaufen Windows 10 pro lizenz kaufen Office 2019 Lizenz Office 365 lizenz kaufen Windows 10 Home lizenz kaufen Office 2016 lizenz kaufen office lisans satın al office 2019 satın al