Um verão sem festas. Para todos ou só para alguns?

Este ano não haverá Feira de São Mateus. Tal representa uma machadada na economia local. Muitos jovens não vão ter onde ganhar algum para as suas despesas.

Tópico(s) Artigo

  • 23:12 | Sexta-feira, 08 de Maio de 2020
  • Ler em < 1

O governo anunciou hoje a proibição de festivais de Verão e outros espetáculos de natureza análoga. Esta proibição representa um rude golpe para a indústria do espetáculo. Os feirantes ficam também impedidos de realizar a sua atividade, preparando-se para passar um verão negro sem conseguirem faturar. O Presidente da Associação Nacional de Feirantes tem-se desdobrado em reuniões com o governo. Ainda não há uma solução à vista e quanto mais o tempo corre mais se adensa o desespero dos feirantes, porque se o Verão é negro, o Inverno será da cor da fome se não houver apoios governamentais através da isenção de taxas ou da prorrogação de prazos de pagamento de seguros, de forma a ficarem com algum dinheiro para se alimentarem.

Este ano não haverá Feira de São Mateus. Tal representa uma machadada na economia local. Muitos jovens não vão ter onde ganhar algum para as suas despesas. Outros pessoas tinham na FSM um segundo emprego. Este ano tal não vai acontecer e os seus dias serão mais vazios.

Sem festas a Câmara de Viseu perde muito do seu campo de ação. Poderiam aproveitar para intervencionarem o Fontelo. Mas sem festas no horizonte, a Câmara entrará em depressão e o Fontelo entregue às fitas e povoado de “obras de arte”, que em nada refletem a identidade viseense.

Não havendo FSM, porque por terras de Viriato somos gente cumpridora das leis da República estaremos atentos e saberemos erguer a nossa voz e revolta contra eventuais excecionalidades que venham a ser criadas. Se tal vier a acontecer é um desrespeito completo ao Estado de direito e um gozo completo para todos os municípios que de Norte a Sul viram as suas festas e espetáculos proibidos até 30 de setembro.

Gosto do artigo
Palavras-chave
Publicado por
Publicado em Opinião