Os estigmas do poder local

Em tempo de guerra, as decisões terão necessariamente de ser rápidas, no sentido de ajudar quem mais necessita e não protelar o seu sofrimento. Para a autarquia de Viseu, que apregoa a sua saúde financeira aos quatro ventos, uma semana não bastou para se pensar numa forma de ajudar os proprietários de restaurantes a atenuar os seus prejuízos. Nem um rasgo da equipa que concebeu e executou de forma magistral (segundo eles) o Cubo Mágico, o epítome da criatividade. Enfim, bastavam irem à janela, olharem em frente e verem… a praça de táxis.

Tópico(s) Artigo

  • 17:57 | Quinta-feira, 19 de Novembro de 2020
  • Ler em 4 minutos

Se é verdade que estamos em guerra, contra um inimigo invisível mas terrivelmente mortífero, devemos analisar as decisões dos denominados líderes que nos representam e a forma como eles se adaptam e reinventam perante as dificuldades. Há vários factores a ter em conta: a forma como comunicam e tentam levantar a moral de um povo assustado, a maneira como empreendem planos de acção contra as adversidades e o seu tempo de reacção perante uma dificuldade pontual.

No dia 12 de Novembro, ficamos a saber que Viseu entrou para o lote dos concelhos com medidas restritivas, daí advindo que durante os próximos dois fins-de-semana, pelo menos, haja recolher obrigatório a partir das 13h00 de sábado e domingo. Como seria de esperar, o sector da restauração insurgiu-se rapidamente contra esta decisão do governo, antecipando avultados prejuízos. O governo respondeu com um pacote de medidas de apoio para o sector, pacote esse que o autarca de Viseu, no dia 13 de Novembro, rapidamente criticou, por considerar manifestamente insuficiente.

Segundo Almeida Henriques, “terá de ser o governo a dialogar com a restauração, que será dos mais afectados com a limitação, sobretudo ao fim-de-semana, e a dialogar com a Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal para chegar a um acordo para se encontrar o apoio certo. Se não for 20%, que seja 30% ou 40%, tem de ser aquilo que seja a percentagem adequada que compense o sector. O governo tem de cumprir com o seu papel de contribuir para que menos empresas fechem”.

Do dia 13 de Novembro até hoje, passaram-se seis dias. Compreendendo a preocupação do autarca viseense, que se colocou logo ao lado do sector da restauração, podemos questionar, pegando naqueles critérios todos do primeiro parágrafo, o que é que de palpável ele fez para minorar os prejuízos da restauração no seu território. Basta passar pela página do município de Viseu no Facebook, rever as publicações da última semana e tirar ilações. A tal “dificuldade pontual” apareceu mesmo e os nossos governantes locais tiveram uma semana para empreender planos de acção para a combater e tentar minorar o prejuízo da restauração. Portanto, em termos de tempo de reacção, estamos conversados. Se o governo ofereceu pouco, no entender do autarca local, a sua câmara ofereceu ainda menos. Chutou-se a responsabilidade para o poder central e voltou-se a cruzar os braços, como se o poder local fosse um comando de televisão sem pilhas.

Se quisermos traçar termos de comparação com o que se vai passando no resto do país, até podemos começar com um concelho aqui bem perto de Viseu. A Câmara Municipal de Nelas deliberou, face aos condicionalismos provocados pela pandemia no próximo fim-de-semana, proceder à entrega de refeições take-away dos restaurantes do concelho, através da rede de táxi da vila. A autarquia assume os custos inerente à entrega da refeição, criando uma forma de apoio sector da restauração, um dos mais afectados pelo surto pandémico de covid-19. O serviço é garantido no almoço de sábado e domingo, a partir das 13h00, e ao jantar desses mesmos dias, até às 22h30.

Além desta medida, este município vizinho, na última semana, instalou tendas nas entradas dos Centros de Saúde de Nelas e Canas de Senhorim, para protecção dos utentes, entregou 360 secretárias individuais para os alunos dos agrupamentos de escolas, chegou a um total de 372 cabazes de fruta e produtos hortícolas às famílias mais carenciadas do concelho e negociou com as unidades de saúde familiar locais o alargamento do horário de funcionamento.

Isto foi tudo no mesmo espaço de tempo, ou seja, de 13 de Novembro até hoje. É precisamente quando o cenário começa a ficar bem negro que precisamos dos líderes, das suas tomadas de decisão, determinação, coragem, arrojo e destreza. Para termos mais uma pessoa a criticar as medidas do governo, basta ligarmos a televisão…

Ainda em assuntos relacionados com a pandemia, e fazendo uma ronda pelos restantes concelhos do distrito de Viseu, reparamos que a maior parte deles, na sua página oficial na rede social Facebook, faz um relatório DIÁRIO da situação epidemiológica dos seus territórios, mantendo informados os seus munícipes sobre a dimensão real da pandemia a nível local.

Verificamos que, no mesmo espaço de uma semana, o município de Sernancelhe, em colaboração com as juntas de freguesia do concelho, está AINDA a distribuir máscaras de protecção individual à população local; Mangualde instalou duas tendas nos acessos às unidades de saúde familiar de Mangualde e Terras de Azurara para melhor comodidade dos utentes durante o período de espera e de acesso aos serviços; Cinfães está a comparticipar a administração da vacina da gripe aos cidadãos com 65 ou mais anos de idade e aos grupos de risco; e Tondela anunciou apoios para o pagamento de rendas mensais de estabelecimentos comerciais, serviços e retalho.

Se alargamos o âmbito à escala nacional, e ainda em relação aos apoios específicos para o sector da restauração, vemos Matosinhos a criar um serviço de entrega de refeições ao domicílio, sem custos para o consumidor, para vigorar nos fins-de-semana de recolher obrigatório, Vila Real a abdicar da festa de passagem de ano e a direcionar essa verba para o comércio e restauração, bem como a proceder à distribuição de mil recipientes de alumínio a cada um dos cerca de 50 restaurantes do concelho para serem usados no serviço de ‘take-away’, e Paredes a disponibilizar os serviços de take-away e entregas ao domicílio em aplicação móvel.

Sim, tudo isto se materializou durante a mesma semana, de 13 de Novembro até hoje.

Podemos questionar se a autarquia de Viseu não tem tantos meios à sua disposição como as câmaras de Nelas, Matosinhos, Paredes ou Vila Real. Ou se os autarcas destas localidades estão a favor ou contra o pacote de apoios do governo à restauração. A verdade é que, estando a favor ou contra, colocaram as mãos na massa e tiraram o máximo daqueles dois verbos do primeiro parágrafo, “adaptar” e “reinventar”. Por cá, ainda se continua a conjugar o verbo “ressabiar”… E se não fosse a proliferação de máscaras na rua, ainda se poderia pensar que a pandemia nunca tinha cá chegado.

Em tempo de guerra, as decisões terão necessariamente de ser rápidas, no sentido de ajudar quem mais necessita e não protelar o seu sofrimento. Para a autarquia de Viseu, que apregoa a sua saúde financeira aos quatro ventos, uma semana não bastou para se pensar numa forma de ajudar os proprietários de restaurantes a atenuar os seus prejuízos. Nem um rasgo da equipa que concebeu e executou de forma magistral (segundo eles) o Cubo Mágico, o epítome da criatividade. Enfim, bastavam irem à janela, olharem em frente e verem… a praça de táxis.

Gosto do artigo
Palavras-chave
Publicado por

Office Lizenz Kaufen Windows 10 pro lizenz kaufen Office 2019 Lizenz Office 365 lizenz kaufen Windows 10 Home lizenz kaufen Office 2016 lizenz kaufen office lisans satın al office 2019 satın al