(Não) vai ficar tudo bem

O futebol profissional, que maltratou o público com jogos durante os dias de semana a horas tardias, que não quis erradicar a violência que grupos organizados cometem, preços oportunistas, vem agora exigir público? E do bem-comportado?! Não souberam fidelizar o "puro" adepto. Não transmitiram valores que o desporto não pode dispensar. Atletas e treinadores merecem público.

Tópico(s) Artigo

  • 5:47 | Quarta-feira, 23 de Setembro de 2020
  • Ler em 2 minutos

O ano 2020 ficará sempre marcado pela esperança em que a expressão “vai ficar tudo bem” nos fez acreditar. A verdade é que depois de bem-comportados, desconfinamos mal e voltamos a desvalorizar o que temos de mais importante: a saúde e o respeito pelo outro.

Os dois meses de confinamento deram essa esperança de mudança a quem escreve sobre Desporto, a quem acredita piamente nos seus valores e que a competição só vale quando existe respeito pelo corpo, pelas regras, pelo adversário, pelo árbitro/juiz ou pelo público.

Vivemos momentos, ainda, de muitas incertezas. O stress é visível no dia-a-dia. Mas será que não aprendemos nada?!

O futebol profissional, que maltratou o público com jogos durante os dias de semana a horas tardias, que não quis erradicar a violência que grupos organizados cometem, preços oportunistas, vem agora exigir público? E do bem-comportado?! Não souberam fidelizar o “puro” adepto. Não transmitiram valores que o desporto não pode dispensar. Atletas e treinadores merecem público. Quem geriu o futebol profissional e não percebeu que a essência do futebol é o público no estádio, e não a televisão e o dinheiro, a participar positivamente no apoio à sua equipa e que vibra com o espetáculo, não tem moral para reclamar. Os clubes, que tanto promovem a clubite e o ódio, não conseguiram unir-se na causa maior: a valorização do espetáculo desportivo.

No desporto sénior – não profissional, existem receios de alguns agentes por não haver despistagens. As competições vivem semana a semana. Mas todos nós na nossa vida o estamos a fazer. Tem sido muito difícil para todas as organizações manter o equilíbrio entre a saúde, a economia e a retoma desportiva!

Quanto ao desporto, de formação, a DGS tem adiado as resoluções mais específicas e diretas para depois do início das aulas. Uma atitude discutível, mas que não justifica que existam clubes que não cumprem as regras atuais de distanciamento pelo medo de perder crianças/atletas. Basta passar por campos e assistem-se a sessões de treino iguais àquelas que se realizavam antes de haver COVID. Há muitas atividades que as crianças e os jovens podem realizar e que os ajudam no seu desenvolvimento motor e psíquico.

Com certeza que o Governo e a DGS terão de repensar a situação de público nos campos. O desporto não tem culpa nem pode ser descriminado. Milhares de agentes desportivos por este país têm esse direito. Qualquer espetáculo é para o seu público. O direito do adepto não pode ser colocado em causa porque se parte do princípio de que vai portar-se mal!

A saúde é primordial. A educação indispensável. A atividade económica fundamental. Outras atividades como a cultura e o turismo essenciais à sociedade.

Só que o Desporto, não a clubite, é tudo isto: saúde, economia, educação, cultura e turismo.

Vai ficar tudo igual. Menos mal.

 

Vítor Santos

Embaixador do Plano Nacional de Ética Desportiva

 

Gosto do artigo
Palavras-chave
Publicado por
Publicado em Opinião

Office Lizenz Kaufen Windows 10 pro lizenz kaufen Office 2019 Lizenz Office 365 lizenz kaufen Windows 10 Home lizenz kaufen Office 2016 lizenz kaufen office lisans satın al office 2019 satın al