Não foi para glorificar os crimes da guerra colonial e normalizar o racismo que se fez o 25 de Abril

Não surpreendeu a normalização da extrema-direita feita por Rui Rio com o acordo nos Açores, já que André Ventura (AV) iniciara a carreira política no PSD. Um Rio poluído eticamente com uma descarga de efluentes de esgoto negacionista: “Ainda ficamos é racistas com tanta manifestação anti-racista. Não há racismo na sociedade portuguesa”.

Tópico(s) Artigo

  • 20:26 | Sexta-feira, 23 de Abril de 2021
  • Ler em 4 minutos

Ingenuamente havia quem pensasse que em Portugal nunca seria possível eleger-se alguém como Trump, Bolsonaro, Órban, Le Pen ou Salvini. Mas o vírus do racismo e da xenofobia já andava por aí a fazer vítimas, por vezes de forma institucionalizada, como tem sido denunciado por relatórios da Amnistia Internacional e do Alto-Comissário de Direitos Humanos da ONU. Até que chegou ao Parlamento um comentador televisivo de futebol, encarnando o papel de populista racista e xenófobo, apoiado por salazaristas e neonazis.

Não surpreendeu a normalização da extrema-direita feita por Rui Rio com o acordo nos Açores, já que André Ventura (AV) iniciara a carreira política no PSD. Um Rio poluído eticamente com uma descarga de efluentes de esgoto negacionista: “Ainda ficamos é racistas com tanta manifestação anti-racista. Não há racismo na sociedade portuguesa”.

Estranho e inadmissível foi ouvir António Costa dizer que AV e Mamadou Ba (MB) se emulavam um ao outro. Como é que o primeiro ministro pode por no mesmo plano um deputado racista que usa e abusa de discursos de ódio e um activista anti-racista, dirigente de uma associação que tem sido atacada pela extrema-direita, como aconteceu em Agosto de 2020, com uma “parada Ku Klux Klan”de alguns racistas com máscaras brancas e munidos com tochas, à porta da SOS Racismo, e que até foi recentemente convidado pelo Governo para integrar o Grupo de Trabalho que ajudou a preparar o “Plano Nacional de Combate ao Racismo e à Discriminação”?


Como é que António Costa pode juntar a sua voz institucional aos racistas da extrema-direita e aos respectivos “idiotas úteis”, reproduzindo a propaganda que tem personalizado em Mamadou Ba os ataques ao anti-racismo. Menos de trinta fascistas do PNR chegaram a fazer uma mini-manifestação com uma faixa a mandar MB de volta para o Senegal (MB tem nacionalidade portuguesa e um filho português). O pretexto foi este comentário de MB, feito a quente nas redes sociais, às reacções de alguns polícias, também nas redes sociais, de apoio à violência policial no Bairro da Jamaica: “A bosta da bófia!” Ora, gíria à parte (e Mamabou chegou a admitir que não devia ter usado o calão “bófia”), um polícia racista é, de facto, à luz da Constituição da República, uma excrescência da corporação, que só pode ser expulsa.

Outra lenda negra contra MB é que ele terá apelado “à morte do homem branco”. Redonda mentira! O que aconteceu foi que, numa conferência “on line” sobre “Racismo e Avanço do Discurso de Ódio no Mundo”, com outras três intelectuais afro-descendentes, MB citou Franz Fanon, neurocirurgião e psiquiatra francês, nascido na Martinica, que na sua conhecida obra “Pele Negra Máscaras Brancas” desmontou os mecanismos sociais, económicos e psicológicos do colonialismo que ao longo de muitos séculos levam o negro a sentir-se mal na sua pele, enquistando um sentimento de inferioridade em relação ao branco, e numa passagem citou, por seu lado, o poeta Césaire: “(…) uma vez descoberto o branco nele, mata-o”. Ou seja, mata o seu complexo de inferioridade e emancipa-se dos grilhões mentais do colonialismo escravocrata. Trata-se de uma catarse e não de um apelo ao homicídio como propalam os racistas da extrema-direita. Que racistas ignorantes não compreendam uma metáfora e incentivem ao ódio, não admira, mas António Costa, também ele vítima de racismo e xenofobia, francamente!…

Por último, a extrema-direita organizou uma petição que já recolheu cerca de 15 mil assinaturas, para que o Parlamento votasse a deportação de Mamadou Ba por este ter proferido afirmações “caluniosas” no Twitter contra Marcelino da Mata, o militar mais condecorado da História portuguesa”, um dia depois do seu falecimento, aos 81 anos, vítima de Covid-19. Ora, Mamadou Ba apenas lhe chamou “criminoso de guerra”, em reacção à proposta do líder do CDS que queria que fosse decretado luto nacional e um funeral de Estado para a homenagem que em vida nunca fora prestada àquele militar de origem guineense, fundador dos comandos, promovido a tenente-coronel depois do 25 de Novembro, que se gabou de “cortar os tomates aos turras e enfiar-lhos na boca e ficar ali a vê-los morrer”.

Como disse Vasco Lourenço, capitão de Abril, presidente da Associação 25 de Abril, “Marcelino da Mata foi um combatente corajoso e extraordinariamente destemido, mas cometeu “crimes de guerra. Era claramente um “Rambo” e torná-lo um herói é ofender todos os antigos combatentes que combateram dentro das regras”. E conta que ouviu Marcelino da Mata relatar a um major uma operação: “Entrámos na tabanca, deitámos granadas incendiárias para as palhotas, as pessoas fugiam para o centro da tabanca, matámos todos, homens, mulheres, crianças”.

Também o escritor Mário Cláudio que cumpriu a sua comissão no quartel-general em Bissau, como jurista no Serviço de Justiça, declarou que foi “muitas vezes encarregado de informar processos-crime e disciplinares, motivados pelo comportamento ilícito e muitas vezes atrozmente delitual” deste militar, mas que apesar da extrema gravidade dos delitos,”os autos acabavam infalivelmente no arquivamento sumário”, protegido pela ditadura e pelos altos comandos militares. É sabido que Marcelino da Mata frequentemente fuzilou prisioneiros sem julgamento. Foi um criminoso de guerra, como o classificou também o historiador Fernando Rosas. E eu digo o mesmo. Agora, peçam para me deportarem para qualquer país civilizado e humanista, porque não quero fazer parte de um país em que o presidente da República e o Chefe do Estado-Maior do Exército prestam homenagem fúnebre a um “criminoso de guerra” que violou a Convenção de Genebra, assassinando inocentes e prisioneiros de guerra, ao serviço do exército colonial que pensei que teria acabado com o fim da ditadura fascista.

António Costa disse estar preocupado com “a fractura perigosa para a nossa identidade nacional que resulta de uma visão auto-flageladora da História”, de que Mamadou Ba seria um exemplo. Eu, sinceramente, estou mais preocupado em ouvir o primeiro-ministro de Portugal a parafrasear o discurso nacional-identitário de saudosistas do salazarismo. Um relatório da ONU já identificou o “racismo subtil” em Portugal, criticando o facto de a história do passado colonial ser contada de forma “inexata” nas escolas. Já é tempo de retirarmos a cabeça da areia. Não foi para glorificar os crimes da guerra colonial que se fez o 25 de Abril! E quanto ao racismo, estrutural na sociedade portuguesa, já é tempo de fazer cumprir a Constituição de Abril!

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Gosto do artigo
Palavras-chave
Publicado por
Publicado em Opinião

Office Lizenz Kaufen Windows 10 pro lizenz kaufen Office 2019 Lizenz Office 365 lizenz kaufen Windows 10 Home lizenz kaufen Office 2016 lizenz kaufen windows lisansları windows 10 pro satın al follower kaufen instagram follower kaufen porno