“Os ricos que paguem a crise!”

Mas perplexante é a constatação de que os mais ricos viram a sua situação melhorar. Ficaram ainda mais ricos, alargando o fosso que os separa dos restantes grupos sociais.

Tópico(s) Artigo

  • 9:23 | Domingo, 25 de Abril de 2021
  • Ler em 2 minutos

Dos dias de pandemia, em especial dos mais negros, se há lição a retirar indiscutivelmente ela é a da indispensabilidade de um forte sistema público de proteção na saúde e no social.

O sistema público de saúde, o SNS, mostrou uma capacidade de resposta notável e uma competência ao melhor nível.

Foi competente ao nível das infraestruturas físicas (só pontualmente se recorreu a meios extra SNS) e foi de uma competência, capacidade técnica e bom profissionalismo ao nível dos recursos humanos que o integram.


A pandemia tem um número de vítimas dramático (qualquer número o seria) mas o que seria sem a entrega dos profissionais e meios do SNS?

A faceta da resposta não hospitalar à pandemia, ou seja a vertente social, também teve uma resposta, globalmente, capaz e adequada.

Os dramas pessoais e sociais com origem na pandemia, desde a total e imprevista quebra de rendimentos à carência alimentar e de apoio à sobrevivência só não foram mais dramáticos porque o sistema de proteção social funcionou.

A proteção na saúde, a proteção social, a reforma por repartição a duração legal de trabalho são direitos coletivos que foram de difícil conquista.

São aquisições sociais que devemos, tendencialmente, ter por intangíveis, intocáveis, imortais.

Soube-se há pouco tempo que a pobreza, em Portugal, teve uma diminuição a roçar o ridículo em 2019.

Desde 2015 que este indicador social vinha a ter uma melhoria consistente e significativa.

Ver que o combate à pobreza não está a ser eficaz é muito angustiante.

Assim, olhando para este último resultado, não será preciso muito estudo para antever que a situação irá ser dramática em 2020.

Todos nós vemos que este último ano foi de perda de rendimentos para largas faixas da população.

Donde a pobreza aumentou, embora não tenhamos uma malha de análise fina que permita uma atuação incisiva e cirúrgica potenciadora de resultados ótimos tem que se agir e proteger os mais frágeis.

Aliás é lamentável que só tenhamos dados sociais com atraso de anos. Isto quando os dados económicos são conhecidos ao segundo (v.g. as cotações das ações) e os relativos ao emprego são conhecidos ao mês.

Urge alterar a situação e ter indicadores mais rápidos no que concerne às situações relativas às situações de carência e pobreza.

Mas perplexante é a constatação de que os mais ricos viram a sua situação melhorar.

Ficaram ainda mais ricos, alargando o fosso que os separa dos restantes grupos sociais.

Constatamos, assim que está a haver uma redistribuição ao contrário.

A riqueza criada em vez de chegar aos mais pobres, vai engordar o quinhão dos mais ricos.

Da pandemia herdaremos mais doenças, mais carências, mais pobres e uma situação económica mais difícil.

Este será o caldo perfeito para gerar um aumento de impostos.

Essa será a altura de repor justiça social fazendo incidir tal aumento sobre os que estão a beneficiar.

Como se dizia há uns anos:

“Os ricos que paguem a crise!”

Até lá urge tomar medidas que garantam vida digna a todos os cidadãos.

 

Gosto do artigo
Palavras-chave
Publicado por

Office Lizenz Kaufen Windows 10 pro lizenz kaufen Office 2019 Lizenz Office 365 lizenz kaufen Windows 10 Home lizenz kaufen Office 2016 lizenz kaufen windows lisansları windows 10 pro satın al follower kaufen instagram follower kaufen porno