Assomo de energia mansa

A brotoeja primaveril do ciclismo reacendeu-se em final de Maio. O senhor M. Gaspar incandesceu a epiderme com uma pergunta auspiciosa: «Porque não há-de reviver o ciclismo regional?» Fui, apressado, ler a resposta, servida em pouco mais de uma coluna de jornal. Carência de peças de bicicleta no mercado? Talvez. Ausência de interesse do público? […]

  • 12:36 | Quarta-feira, 18 de Dezembro de 2019
  • Ler em < 1

A brotoeja primaveril do ciclismo reacendeu-se em final de Maio.

O senhor M. Gaspar incandesceu a epiderme com uma pergunta auspiciosa: «Porque não há-de reviver o ciclismo regional?» Fui, apressado, ler a resposta, servida em pouco mais de uma coluna de jornal. Carência de peças de bicicleta no mercado? Talvez. Ausência de interesse do público? Nem pensar. Falta de boas estradas? Escolham-se circuitos pequenos, que têm a vantagem de facilitar o trabalho de apoio aos concorrentes.

Na sua opinião, Coimbra tinha, em 1943, catorze quilómetros de estradas de primeira qualidade no percurso que antigamente se chamava Volta à Conraria, com uma parte plana, boas subidas e grandes descidas. Estou mais ou menos a citar. Penúria de organizadores? De certeza que sim. Porquê? Pelos «grandes encargos» resultantes da presença dos ases. Então, o que fazer? Apelar às «forças vivas» da cidade de Coimbra, a saber: comércio, indústria e clubes locais.


Eis o reluzente alvitre do senhor M. Gaspar. Tão bem que ele estava a ver as andorinhas a chegar a Coimbra.

Nuno Rosmaninho

Gosto do artigo
Publicado por
Publicado em Opinião

Office Lizenz Kaufen Windows 10 pro lizenz kaufen Office 2019 Lizenz Office 365 lizenz kaufen Windows 10 Home lizenz kaufen Office 2016 lizenz kaufen office lisans satın al office 2019 satın al