As ruas a quem as merece!

Faleceu aos 50 anos, em Lisboa, foi injustamente esquecida. Sobretudo em Viseu, onde o seu nome não está inscrito no espaço público. A 26 de abril de 1923, alguns meses após a sua morte, o nome de Beatriz Pinheiro foi proposto, em sessão ordinária da Câmara Municipal de Viseu, para uma rua.

  • 12:17 | Sexta-feira, 16 de Abril de 2021
  • Ler em 2 minutos

Beatriz Pinheiro foi uma pioneira do movimento moderno de emancipação feminina em Portugal. Nascida em 1871, defendia causas como o direito das mulheres ao trabalho remunerado, ao salário justo, à educação e ao ensino.

Acreditava e lutava por uma sociedade mais justa, foi republicana, feminista, pedagoga, escritora, professora, pacifista, membro da Liga Portuguesa da Paz e da Liga Republicana das Mulheres Portuguesas.

Entre 1899 e 1900, foi diretora, com o marido Carlos de Lemos, da revista Ave Azul, publicada em Viseu e na qual deixou grande parte do seu pensamento republicano, feminista e pacifista.


Faleceu aos 50 anos, em Lisboa, foi injustamente esquecida. Sobretudo em Viseu, onde o seu nome não está inscrito no espaço público. A 26 de abril de 1923, alguns meses após a sua morte, o nome de Beatriz Pinheiro foi proposto, em sessão ordinária da Câmara Municipal de Viseu, para uma rua.

Quase 98 anos depois, a merecida homenagem continua por concretizar, mesmo após a representante do Bloco de Esquerda na Assembleia de Freguesia de Viseu ter apresentado uma proposta, aceite por unanimidade, para atribuição do nome de Beatriz Pinheiro a uma rua. Perto de 10 meses decorridos, ainda não há placa na rua e importa não deixar o assunto cair em esquecimento.

Em Portugal, cerca de 90% da toponímia de lugares ou ruas tem nomes de homens. Também desta forma, as mulheres e a sua importância histórica continuam a ser invisibilizadas. Porque não existem nomes de mulheres nas ruas e lugares? Porque não existem mulheres ilustres, ou porque a sociedade ainda as relega para um segundo plano?

No caso de Viseu a tendência é ainda mais acentuada: apenas quatro ruas têm atribuído nomes de mulheres. Rua Augusta Cruz (cantora lírica), Rua Maria do Céu Mendes (pianista), Rua Hélia Abranches de Sove e a já mencionada Rua Beatriz Pinheiro.

Mas Beatriz Pinheiro e as mulheres, em geral, não são as únicas omissões da toponímia. Também em Viseu, em 2007, a Assembleia Municipal de Viseu, por iniciativa do Bloco de Esquerda, aprovou por unanimidade a atribuição do nome de José Afonso a uma das ruas ou avenidas da cidade. Mais uma decisão consensual que ainda falta cumprir.

A toponímia não é um pormenor que define moradas. É uma forma de consagrar os espaços a quem é merecedor de tal, de homenagear quem se destacou positivamente na construção de uma sociedade mais justa. Entendo que a toponímia é uma arma que permite escrever na história, no espaço público, na identidade de um lugar, os nomes que refletem a sociedade que queremos.

É neste entendimento que os espaços não devem ser todos no masculino, que topónimos como Oliveira Salazar, ainda abundantes, devem ser seriamente discutidos e contestados, que as nossas ruas devem ser nomeadas e renomeadas, se necessário, refletindo uma sociedade mais diversa.

No poema 25 de Abril Sophia de Mello Breyner canta uma madrugada em que “livres habitamos a substância do tempo”. Pois que neste abril as ruas e os nomes dos lugares sejam de quem os merece, de quem defendeu a causa da liberdade, deixemos que sejam esses os nomes a habitar a substância do tempo.

Gosto do artigo
Palavras-chave
Publicado por
Publicado em Opinião

Office Lizenz Kaufen Windows 10 pro lizenz kaufen Office 2019 Lizenz Office 365 lizenz kaufen Windows 10 Home lizenz kaufen Office 2016 lizenz kaufen windows lisansları windows 10 pro satın al follower kaufen instagram follower kaufen porno