Tondela “inquinada”?

por Paulo Neto | 2019.03.15 - 09:25

 

Parece ser este o caso de Tondela, do autarca tondelense, José António Jesus e do seu executivo camarário. Inquinados por más práticas…

Como se não bastassem as trapalhadas com os recebimentos abusivos e indevidos de ajudas de custo com veículos públicos e privados que, entretanto, após descoberta a “marosca“, por outros mais cândidos querubins designada de “cabala” e consequente reposição nos cofres públicos de alguns milhares de euros, veio agora a lume a poluição desenfreada e mortífera (fauna e flora), inconcebível em qualquer território, muito menos na auto-qualificada “Região de Bem-Estar”, com os rios Criz e Dão fortemente poluídos, em povoações como Dardavaz, por exemplo, envenenando animais domésticos, produtos agrícolas e as águas dos chafarizes públicos. Ainda não se apurou qual o dano causado nos habitantes, o que se revelará mais cedo ou mais tarde.

A autarquia nada ignorará há muito. Sabe de fábrica ou fábricas poluidoras dos rios. Fez encanamentos subterrâneos de quilómetros para tapar o sol com a peneira e fazer desaguar meia dúzia de quilómetros a jusante o “veneno”…

Um autarca não devia zelar pelo bem-estar e qualidade de vida dos seus munícipes, sua exclusiva razão de ser? Ao estar do lado de empresas transgressoras das regras ambientais e sabendo do dano causado, que resposta quer dos seus eleitores?

E o Ministério do Ambiente compactua com este inqualificável atentado?

José António Jesus caminha de escândalo em escândalo e, eventualmente, não ficaremos só por aqui.

Até quando as autoridades deste país serão cúmplices de tudo isto?