São cansativos, os treinadores de bancada!

Talvez Marta Temido e Graça Freitas não sejam as mais hábeis comunicadoras. Também não têm que o ser. São criticadas pelo que dizem e acusadas pelo que, eventualmente, não dizem.

Texto Paulo Neto Fotografia Direitos Reservados (DR)
  • 20:40 | Domingo, 05 de Abril de 2020
  • Ler em 2 minutos

Não se ouvem por gosto e com deleite os comunicados diários do Ministério da Saúde e da Direcção-Geral da Saúde.

Talvez Marta Temido e Graça Freitas não sejam as mais hábeis comunicadoras. Também não têm que o ser. São criticadas pelo que dizem e acusadas pelo que, eventualmente, não dizem. Há quem não goste do penteado de uma ou de um leve sorriso nos lábios de outra. À saciedade investigam-lhes os gestos, a forma como pegam numa garrafa de água, o inábil modo de entrarem num elevador.

Contrariamente a estas ociosas exigências, sou compreensivo com as dificuldades oratórias. Elas não são vendedoras de banha da cobra nem bispos brasileiros. Compreendo que, como as “madamas da jet society” e as vedetas do tele lixo, não tenham tempo nem vontade de irem ao cabeleireiro. É plausível um ricto semelhante a um sorriso quando, provavelmente não é mais que um esgar nervoso ou um trejeito de cansaço.

A falta de mediatismo de quem não anda à frente das câmeras ou em romarias de debutantes, propiciará gestos menos “perfeitos”. O automatismo rotineiro de atitudes pode mostrar insensatez ao entrarem quatro pessoas num elevador. A mesquinhez oportunista que filmou e destacou o momento deu a coroa plastificada da glória ao cineasta …

Gosto destas Senhoras, da Ministra da Saúde e da Directora-Geral da Saúde. Aprecio quanto fazem. Louvo a sua sinceridade e o seu esforço. Dão-me segurança e esperança, porque nem sequer imaginando como serão os seus dias e a pressão a que estão sujeitas, elas vêm, diariamente, dizer-nos a verdade. E mesmo quando um número não bate certo com os cálculos, estatísticas e previsões de milhares de comentadores entediados, tenho a certeza de que esse desencontro pontual não passa de um mero e insignificante lapso de rectaguarda.

Por isso, Marta Temido e Graça Freitas, o meu caloroso bem-haja pela V. cuidado, pelo V. esforço e pela V. porfiada luta diária.

Gosto do artigo
Publicado por
Publicado em Editorial