Porque hoje é domingo…

por Paulo Neto | 2015.02.15 - 12:37

 

 

 

Polícia mata suspeito da autoria dos ataques em Copenhaga”, escreve o PÚBLICO

Desmantelada rede que enganava menores para obter vídeos sexuais em Espanha”, referencia o DN

Ex-refém do Estado Islâmico. Dois carcereiros portugueses torturavam na prisão”, conta-nos o EXPRESSO

Suspeitas de corrupção em terrenos para autoestradas”, afirma o JN

Alberto João Jardim: Obviamente je suis un Syriza”, enfatiza o SOL

Ministro israelita pede guerra sem quartel contra terrorismo”, debita o Notícias ao Minuto

Grupo extremista Ku Klux Klan faz chamado às armas em Alabama contra o casamento homossexual”, relança o OBSERVADOR

Correia de Campos: «Porquê deixar morrer doentes e construir novo terminal de contentores?» anuncia a TSF
8 títulos “puxados” da “une” de cada um destes prestigiados meios de comunicação social lusitana. Semana após semana nada muda. Pelo menos para melhor. E muito menos o homem, em geral. E sequentemente ao homem, naturalmente, o mundo que ele constrói.

Nada há de positivo ou há tão pouco que não merece destaque. Parece haver um “frisson” extraordinário na malevolidade/anormalidade do quotidiano global. Por sua vez, o leitor já não aprecia os “happy ends” tão cor-de-rosa de Corin Tellado e do Capricho anos 70… e a “VIP press pipóle”— depois de tanta escandaleira…

corin

O amor demodou-se e o conflito sangrento tornou-se uma epidemia.

É nesta paisagem diariamente exposta que refocilamos. Nós, os mais velhos, vamo-nos defendendo. E os mais jovens?

Depois, estranham-se as endogenias, as recusas de aceitação do real envolvente, o recurso viral ao virtual, os comportamentos agressivos, ausência de valores (dizem…) e sei lá mais eu o quê…

Ante ontem encontrei um meu ex-aluno mais a namorada. Felizes por se amarem e ele, por ter concluído a sua licenciatura em engenharia electrotécnica.

Ontem visitaram-me quatro sobrinhos e dois sobrinhos netos. Um mundo de harmonia que muitos invejariam…

Há que ser optimista. Para o pessimismo basta o que por aí vai e a gentinha tão maléfica, Viseu também tem… que pode ir todos os anos a Fátima a pé e, durante uma semana vestir a pele do contrito peregrino, para nas restantes 51 semanas dar azo à sua insaciável ganância, sede de protagonismo, desmedida ambição e total falta de escrúpulos.  Néscios que se crêem eternos…