Os heróis da caravela voadora

por Paulo Neto | 2015.12.22 - 19:23

O voo inaugural da rota Bragança-Portimão efectuou-se hoje.

Paragens em Vila Real, Viseu e Cascais asseguram o sucesso deste alternativo meio de transporte que vai pôr muitos portugueses nas nuvens.

A viagem de Viseu a Cascais é uma bagatela que não chega aos 100€. Mesmo que lhe acresçamos o custo do transporte Cascais-Lisboa, nunca ascenderá a mais de 140€.

Espera-se uma remessa de lisboetas na Beira. O compadre Zacarias, por seu turno, vai finalmente, levar os quatro sobrinhos ao Jardim Zoológico, promessa há muito incumprida.

Muita polícia Municipal e Gnr à chegada, talvez em busca de fugitivos do daesh e uma profusão de coloridos coletes fosforescentes garantiam a visibilidade e a segurança do voo, assim como um enorme canhão anti-fogo que faria inveja a muitos corpos de bombeiros municipais, garantia a paz em terra.

Ficámos sem saber se temos de levar o colete de casa ou se é proporcionado pela companhia aérea. Talvez o vereador Seixas saiba a resposta.

Salvo erro, pois a emoção era enorme, desceram quatro passageiros com um ar extasiado. Entre eles, o nosso estimado autarca local que e assim alcançou um dos seus maiores sonhos para o desenvolvimento da região, de Viseu e dos viseenses.

E contas bem feitas, os parcos milhões que o erário público suportou nesta gloriosa aventura, nada são se comparados com outras extravagâncias como o Banif.

Mesmo as escolas secundárias, no seu plano anual de actividades, poderão prever por via aérea a ida a Mafra, visita quase obrigatória por causa do “Memorial do Convento”, de Saramago, dos seus alunos do 11º ano (ou será 12º?).

Falta somente instalar a máquina electrónica com o número de chamada dos tickets tirados pelos viajantes, ao balcão do aeródromo, para evitar extensas bichas e confusões desnecessárias.

Em suma, um êxito assinalável.

Viseu está mais próxima do mundo nacional. Um saltinho a Vila Real, dois saltitos a Bragança. A juntar à possibilidade de, num rufo, ir ver a baía de Cascais ou dar um mergulho nas tépidas águas algarvias.

Vou começar a poupar para levantar voo. Não me falta tudo pois já consegui juntar 37,8€. Depois farei a reportagem. Isto é, se ao contrário dos museus municipais deixarem usar a camara sem flash.

(foto DR)