O sr. Sobrado a ministro da Cultura, já!

E desses milhões todos, em cômputo final, o que fica do seu agir de “estracassantemente” revolucionário, além das muitas festarolices efémeras, com ganhos para meia dúzia, mas sem proveitos à vista para os 100.000 munícipes do Concelho?

  • 21:55 | Sábado, 06 de Fevereiro de 2021
  • Ler em 2 minutos

Lê-se para aí pela pena de escribas mais embevecidos e deslumbrados com a aura deste neófito S. Jorge, que ele vai ser o ministro da Cultura no seu eterno e risonho futuro a vir.

Esqueceu-se a autora do panegírico de clarificar se ainda no governo de António Costa se num do Rui Rio, se lá chegar.

O sr. Sobrado é afinal o tal que saiu a correr do lugar de vereador da câmara municipal de Viseu, por motivos ainda por dilucidar, invocando ter chegado ao fim de um ciclo.


Ao que se julga saber e se não houver pelo meio nenhum contratempo imprevisto, o fim do ciclo seria aí para finais de Setembro de 2021. Se decidiu ou por ele decidiram antecipar esse fim, um dia se saberá.

Mais anda no ar a preocupação em saber para onde vai em fim de ciclo. Que seja para ministro, mas mais importante seria saber porque vai…

Entretanto, o “vereador-nim”, o “sai-mas-fica”, multiplica-se em grandes entrevistas de auto-proclamação, muito laudatórias da sua insigne pessoa, através das quais vamos conjecturando perplexos que Viseu antes dele não existia. Existiu com ele e no futuro, sem ele, ou com ele a ministro não existirá.

Há gente assim, autênticos marcos charneira no fluir da humanidade. O homem é um Napoleão, um Ghandi, um Mandela, um Obama…

Na sua atrevida presunção, faz bem jus ao lema de Luís XV: “Après moi, le déluge!”, mas esse sabia do que falava…

O Sr. Sobrado age como um megalómano atestado de egocracia. Permitiram-lhe ser assim. Tem-se em altíssima conta e a sua auto-estima dava para uma equipa de futebol inteirinha, árbitro incluído.

Há, todavia, alguns pontos que seria bom termos presentes. Desde Outubro de 2017 a Dezembro de 2019, o vereador Sobrado custou ao erário municipal em despesas com o pelouro a módica quantia de 14 778 322,00 €.

Será que estes milhões todos serão alheios ao invocado e propalado milagre das rosas do Rossio?

E desses milhões todos, em cômputo final, o que fica do seu agir de “estracassantemente” revolucionário, além das muitas festarolices efémeras, com ganhos para meia dúzia, mas sem proveitos à vista para os 100.000 munícipes do Concelho?

E claro, ainda estamos por saber – há de ser segredo de Estado – quanto foi gasto e onde foi gasto com a Viseu Marca, onde o dito também pontificou. A tal estranha parceria da CMV com a AIRV e a Associação Comercial…

Tenhamos porém presente que Almeida Henriques foi o pai desta desaforada folia. Foi ele que trouxe o “futuro ministro da Cultura”, que o impingiu a Viseu como o 5º cume do Everest, que lhe deu os milhões para estoirar.

E disso não se pode alhear, nem lixiviar, pois enquanto durou a folia, com ela e à custa dela muito músculo foi inchando…

 

Gosto do artigo
Palavras-chave
Publicado por
Publicado em Editorial

Office Lizenz Kaufen Windows 10 pro lizenz kaufen Office 2019 Lizenz Office 365 lizenz kaufen Windows 10 Home lizenz kaufen Office 2016 lizenz kaufen windows lisansları windows 10 pro satın al follower kaufen instagram follower kaufen porno