O abismo do Mal…

por Paulo Neto | 2015.03.08 - 13:46

 

Ouve-se um silêncio imoral no mundo civilizado. A destruição de Nimroud e das esculturas pré-islâmicas de Mossul é um dos mais cegos, fanáticos e brutais atentados culturais dos últimos séculos – excepção das duas GG.

alx_2015-02-26t183653z_1265281338_gm1eb2r06aa01_rtrmadp_3_mideast-crisis-iraq-museum_original

O património mundial empobrece-se irreversível e desmesuradamente. Esta tentativa de recuo fundamentalista às mais recônditas e negras trevas da ignorância, nem no homem das cavernas tem eco, pois as pinturas rupestres são já uma sua primicial expressão artística.

Irak-destruction-par-l-EI-des-ruines-assyriennes-de-Nimroud_image_article_large

Porque quer o estado islâmico destruir os vestígios preciosos de um passado glorioso? Para renascer das cinzas, como Phénix? Símbolo de força, imortalidade e renascimento?

A força do terror, a imortalidade das suas atrocidades epigrafadas a perene sangue e o nascer de novo como a besta de Apocalipse?

bttzqduiiaa-kmz1

Que mundo se criou? De que profundezas do mal emergem estas forças?

Que intolerante fanatismo os impele?

Onde chegarão, se a humanidade permanecer impávida?

Agora propõem-se destruir as pirâmides do Egipto… E quando, enfim, chegarem às nossas portas, ainda fingiremos que não existem?