Não há sacos plásticos para ninguém!

por Paulo Neto | 2014.10.19 - 00:02

 

 

Anda toda a gente a gozar com o “imposto” sobre os sacos plásticos e, bem vistas as coisas, a medida tem alguma lógica…

O problema reside noutro aspecto da questão: este governo está tão moralmente desautorizado em matéria de agravamentos fiscais, que já ninguém acredita na bondade de nenhuma das suas medidas.

Por mais louvável que seja aparece logo um Tóino qualquer a berrar : — “Ladrões! Até aos sacos plásticos vão roubar! Pobres portugueses nas mãos destes malfeitores! Ó meu, vai sacá-lo para o teu bairro!”

E porém, em boa verdade, há uma coisa que falha e outra que está a mais: falha a capacidade dialogante e há excesso de arrogância nas atitudes centrada na postura “quero, posso e mando”, que vamos engolindo com a costumeira placidez e proverbial esquecimento.

Evidentemente que o governo, levando avante a ideia, cobrando 8 cêntimos por saco plástico, arrecadará por alto e grosso 60 milhões de euros.

É óbvio que ninguém acredita nas preocupações ecológicas destes farsantes.

Seguramente que se deve respeitar esta medida oriunda da Comissão Europeia, encarando-a na sua essência positiva.

É certo que dói mas que, a médio e longo prazo, ajudará a proporcionar uma mudança de hábitos mais amigos da natureza. E a natureza agradece. O governo também.

Agora, o ponto: como resolver o assunto sem gastar um euro em sacos plásticos de cada vez que se vai às compras?

As grandes superfícies vão arranjar alternativas, não nos preocupemos.

Quanto à grande quantidade de indústrias fabricantes dessa imérita matéria tão omnipresente no nosso rotineiro quotidiano… o problema é outro e vão ter muito que reflectir quando as vendas começarem a cair a pique.

 

Aqui têm, com a devida vénia, muita informação sobre a matéria em causa:

http://www.publico.pt/ambiente/jornal/portugal-acumula-ate-250-milhoes-de-sacos-plasticos-por-ano-no-ambiente-27353354