Este ano de 2019…

À laia de balanço, olho para estes 363 dias escoados. Pessoalmente, o que retenho deste ano? No mundo, o continente americano (sul e norte), do Brasil à Venezuela, ao Equador, ao Peru, ao Paraguai, à Bolívia, à Argentina, ao Chile, com sublevações por todo o lado e muita miséria a sair à rua e os […]

  • 11:37 | Domingo, 29 de Dezembro de 2019
  • Ler em 2 minutos

À laia de balanço, olho para estes 363 dias escoados. Pessoalmente, o que retenho deste ano?

No mundo, o continente americano (sul e norte), do Brasil à Venezuela, ao Equador, ao Peru, ao Paraguai, à Bolívia, à Argentina, ao Chile, com sublevações por todo o lado e muita miséria a sair à rua e os EUA que se fartou de dar que falar, evidencindo-se os arrogantes e perigosos disfuncionamentos de Trump e a tentativa de “impeachment” dos democratas, escândalo atrás de escândalo.

As manifestações por um planeta mais limpo e por melhores condições climáticas encontraram novas e críticas vozes no seio dos mais jovens, fartos da indiferença e dos paliativos inócuos dos mais velhos. Greta Thunberg foi seu rosto.

O Reino Unido (?) com o irreversível Brexit é uma incógnita, até e para os próprios ingleses, que parece terem votado no “escuro”. Políticos como Farange, Cameron, May e Boris Johnson mudaram a Inglaterra com o seu populismo e inerente referendo popular para saída da UE. As consequências são para todos imprevisíveis.

Há dois livros a ler, duas ficções muito bem construídas sobre esta temática: de Ian McEwan, “A Barata” e de Jonathan Coe, “No Coração de Inglaterra”. Quem tiver olhos críticos, encontra aí pano para muitas mangas…

Na Espanha, a Catalunha esteve na ordem do dia de um país que não encontra hegemonia nas suas regiões, autonomistas, desavindas desde 1936.

Na França, a contestação sai à rua quase diariamente, desde os “gilets jaunes” à reforma da segurança social, não dando paz a Macron.

Os refugiados e migrantes em fuga de conflitos, guerra, perseguições e da pobreza quase deixaram de ser notícia, não porque a sua mala-saga deixasse de existir, sim porque os “media” se cansassem, ou recebessem ordens, para apontar o foco a outras calamidades.

Em Portugal, quase parece que tudo se resume, em política, ao Ventura e à Joacir, as estrelas emergentes destas legislativas, que arrastam microfones e objectivas por onde quer que andem, pelo que quer que façam, pelo que quer que digam. Um parolismo mediático para cativar a atenção e sobressaltar os entediados.

Rui Rio e Montenegro também estiveram e estão sob holofotes. Janeiro trará a decisão desta luta pela liderança do PSD.

Em Viseu, o finado 2019 foi annus horribilis para o autarca António Almeida Henriques, prevendo-se que 2020 não lhe seja mais leve, com as notícias que vão saindo, a conta-gotas, cirurgicamente, acerca das investigações do DIAP e das suspeições de envolvimentos em diversos casos muitíssimo polémicos. Até quando terá condições para capitanear a CMV?

Bom, de resto, e porque nem tudo são desgraças, ainda não nos faltou a saúde no corpo, o discernimento na mente e a broa na mesa.

Em Novembro passado, a Rua Direita completou o seu sexto ano de vida, continuando paulatinamente o seu crescimento afirmado.

Se 2020 não trouxer melhores dias, que sejam como os que 2019 nos deu.

Um bom Ano Novo, estimado leitor.

Gosto do artigo
Publicado por
Publicado em Editorial
mersin escort porno porno izle sex hikayeleri maltepe escort pendik escort izmit escort