É tal calamidade…

por Paulo Neto | 2015.01.10 - 18:38

 

 

Uma amiga confessava-me sua doença grave e as cinco semanas que esteve de baixa médica. Recebeu nesse mês 56,8 € de salário.

O estado da saúde ou a saúde do estado.

Uma vida inteira a fazer descontos, a pagar impostos, a ver retido mais de um terço do vencimento.

Por fim, quando se precisa… é isto.

Se não bastasse a fragilidade que a doença carreia, se não bastasse o mal, o deficitário tratamento, a falta do que é vital… como se não bastasse… roubam o salário no momento em que dele mais se precisa…

 

As cadeias portuguesas estão a abarrotar.

Porquê?

Os guardas prisionais estão aquém das exigências.

O número de mortes nas prisões é o dobro da maioria dos países europeus.

Não morrem só nas urgências hospitalares…

Palavras?

Leva-as o vento e em seu lugar falam os factos.

Toda a sociedade não afectiva é geradora de violências.

Este governo mata que se farta…

Ponto final.