Canibalismo partidário

por Paulo Neto | 2014.06.13 - 15:57

 

O PSD em Viseu, a nível dos seus órgãos concelhios e distritais, tem mostrado civilidade, urbanidade, discrição e coesão.

Também já lhe bastam os desmandos da governança… Com tanto estrago feito por essas luminárias da incompetência, falsidade e desrazoabilidade – vide por exemplo a medida que está a pôr em pé de guerra as autarquias, a nova troika das autarquias, o famigerado FAM,  Fundo de Apoio aos Municípios – o PSD local faz milagres para limpar as minas da picada e remover estilhaços das que vão rebentando.

Bem diferente, o PS. Atingido a nível do distrito um palmarés autárquico nunca antes alcançado, detendo lugares chave e decisórios para grande parte do território, por exemplo a CIM Viseu Dão Lafões… o PS teria tudo para ser feliz. E porém…

Mas, como na anedota acerca de Portugal, a quem o Criador proporcionou um óptimo clima, solos férteis, excelente mar, sublimes montanhas… deu-lhe em contraponto… a raça lusitana.

No PS local deu-lhe alguns militantes que têm vindo, de forma persistente, sistemática, cirúrgica e perniciosa, a destruir tudo por onde passam…

Pelo partido? Não, apenas pelos interesses pessoais, revanchismos e caciquismos individuais.

Hoje, o PS começa a ser uma anedota de quem se ri à socapa todo o restante leque partidário, na certeza de que, quando deixarem de se comer, basta chamar uns rafeiros mais esfomeados,  que até os ossos desaparecerão.