As “leiras” do PS …

por Paulo Neto | 2014.07.19 - 13:46

O Partido Socialista do distrito anda cheio de dinamismo. Ontem, na reunião da Comissão Política Distrital as surpresas sucederam-se.

António Borges apresentou a candidatura à Federação. Acácio Pinto apresentou a candidatura à Federação.

Esta vitalidade será um pouco fruto da cisão interna criada com as duas candidaturas, de Seguro e Costa a secretários-gerais do PS? Talvez.

Do que se conhece, José Eduardo Ferreira, de Moimenta da Beira é o mandatário de Seguro. Com ele estão os compadres Ginestal e Junqueiro.

João Azevedo, de Mangualde é o mandatário de António Costa. Como director de campanha está Acácio Pinto. Com Costa está o presidente da CIM Viseu Dão Lafões, José Morgado, Fernando Carneiro, de Castro Daire, o histórico Afonso Abrantes, de Mortágua, Leonel Gouveia, de Santa Comba Dão, etc.

O distrito tem quatro concelhias pujantes: a de Viseu, cuja presidente Adelaide Modesto apoia Costa; a de Mangualde, cujo presidente Marco Almeida apoia Costa, a concelhia de Resende que apoia Seguro e a de Santa Comba Dão cuja inclinação ignoramos.

Sabemos que a candidatura de António Borges à Federação é a candidatura de Miguel Ginestal, que ao apoiar o homem do norte do distrito está a virar costas a Viseu. Seguramente não é a de José Junqueiro. Que caldeirada!

Mas há aqui uma grande incógnita, afinal, António Borges está com quem? Seguro ou Costa? Nunca disse inequivocamente apoiar Seguro. Irá apoiar Costa? Se apoiar Seguro percebe-se com clareza toda a força do lóbi Ginestal. Se apoiar Costa… tudo se clarifica num ápice.

A candidatura de Acácio Pinto não é contra ninguém. Mas é obvio que surge em função do espaço deixado por João Azevedo. E em função da tentativa de união de um partido desavindo.

João Azevedo não se recandidata. Presidente da câmara de Mangualde, membro do Comité Europeu das Regiões com António Costa e Basílio Horta, mandatário distrital de António Costa, não estará para servir de pista eléctrica a “carrinhos de choque”, tendo pela frente um desafio aliciante: o de alicerçar no distrito a candidatura de Costa a secretário-geral do PS.

Estas eleições para a Federação realizar-se-ão a 6 de Setembro. A 28 de Setembro ocorrerão as primárias para escolha do próximo secretário-geral. Em meados de 2015 vêm as legislativas. Por isso há guerra “cabonde” por todo o lado… As carabinas contam-se. Os candidatos a deputados perfilam-se. Com estas chuvadas de Verão está uma enxurrada a passar debaixo da ponte… Os próximos dias serão decisivos. Ou o PS fica todo retalhado, com cada um a plantar grelos murchos na sua leira, ou, das “cinzas” renascerá Fénix…