Almeida Henriques sempre na "berra"

António Almeida Henriques, o presidente da Câmara Municipal de Viseu, o homem que adora holofotes e microfones, aquele que reitera ser a sua “consciência o seu juiz“, volta à ribalta, numa excelente peça da Sandra Rodrigues, hoje vinda a lume no JN. Clamando aos sete ventos a sua inocência em todo este Processo Éter, ciente […]

  • 14:35 | Terça-feira, 24 de Dezembro de 2019
  • Ler em 2 minutos

António Almeida Henriques, o presidente da Câmara Municipal de Viseu, o homem que adora holofotes e microfones, aquele que reitera ser a sua “consciência o seu juiz“, volta à ribalta, numa excelente peça da Sandra Rodrigues, hoje vinda a lume no JN.

Clamando aos sete ventos a sua inocência em todo este Processo Éter, ciente de que ao fim de uma semana toda a gente esquece os episódios negativos, Almeida Henriques continua a sua desastrosa gestão autárquica imperturbável, como se nada se passasse, como se a PJ fosse uma horda de brincalhões inoportunos e o DIAP uma tertúlia de amigos, entretidos a criar “cabalas” em redor desta personagem que, a continuar assim, corre o risco de se tornar um “stude case“, mas por motivos pouco abonatórios.

O desplante e o despudor que assistem a certos políticos é, também, um sinal dos tempos. Dos tempos em que a impunidade quase se tornou modo e apanágio de acção, levando muitos a agir com uma crença numa imunidade quase total. Ou pelo menos assim o julgam, pois a JUSTIÇA em Portugal, a Justiça em que todos acreditamos, não dá tréguas a quem da Lei faz letra morta e da sem-vergonha roupagem do quotidiano.


Nesta notícia da Sandra Ferreira, a forma como se contratam “amigas de amigos” a 2.500 €/mês (um técnico superior do quadro com 30 anos de exercício ganha metade), se não fosse obscena seria, no mínimo, imoral, injusta, arrogante, prepotente, abusiva e lesiva do erário público…

O PSD, partido pelo qual Almeida Henriques se candidatou, mantém um “silêncio ensurdecedor“, decerto na presunção de inocência do seu “companheiro“, que intenta levar o mandato até ao fim e, decerto, recandidatar-se a próximo mandato.

Por mais que o presidente da distrital, Pedro Alves, aprecie e seja solidário com Almeida Henriques, desmesura-se a possível insensatez. Também a concelhia do PSD, com Joaquim Seixas — o vice-presidente da CMV que saiu a correr — , pactua com este silêncio. Terão ficados todos afónicos?

Até quando se continuará a descredibilizar um partido político, uma autarquia, Viseu e os viseenses?

Ao que se lê… uma VERGONHA!

Gosto do artigo
Publicado por
Publicado em Editorial

Office Lizenz Kaufen Windows 10 pro lizenz kaufen Office 2019 Lizenz Office 365 lizenz kaufen Windows 10 Home lizenz kaufen Office 2016 lizenz kaufen office lisans satın al office 2019 satın al