A FAR – Fundação Aquilino Ribeiro

por Paulo Neto | 2014.04.05 - 23:06

 

A FAR, Fundação Aquilino Ribeiro tem um potencial fantástico partilhado pelos três concelhos integradores das “Terras do Demo”: Sernancelhe, Vila Nova de Paiva e Moimenta da Beira.

Por alteração dos estatutos, a FAR ficou a ser presidida pelos presidentes dos três referidos municípios em regime rotativo de dois anos cada. Esta foi uma solução de consenso e alavanca geradora da alteração estatutária. Porém, na prática, enferma de algumas disfuncionalidades facilmente superáveis. A maior é a ausência de um fio condutor de continuidade e acção nas políticas a seguir por cada administração. É bom de ver que os autarcas em questão não têm disponibilidade temporal para o exercício daquela competência. Corre-se o risco de ver definhar a FAR, gradualmente, por “pecado” tão menor…

Hoje, não há concelho de Portugal que não ansiasse ter Aquilino Ribeiro na sua terra. Aqui, há uma partilha. Com lógica histórico-biográfica. Tem que existir é quem execute um plano anual de actividades coerente, quem o ponha pormenorizadamente em prática, com estratégias coesas, plurais, diversificadas, dinâmicas, actuantes e estimulantes. E assim fazer daquele continente e seu conteúdo uma “anima” pulsante de acção, vida, centripetadora de alunos, professores, estudiosos, investigadores e turistas interessados não só no Território, como na Obra, como no Homem.

Esta riqueza é imperdível. Haja vontade, capacidade e visão.

 

Ps: a foto foi tirada por mim ao Senhor Engª Aquilino Ribeiro Machado, à porta da FAR, explicando-me ele pormenores da vida daquela “casa”.