Fronteiras com Espanha fechadas até 15 de maio

O ministro da Administração Interna anunciou que o controlo de fronteiras com Espanha se vai prolongar até ao dia 15 de maio.

Texto Rua Direita Fotografia Direitos Reservados (DR)

Tópico(s) Artigo

  • 21:54 | Terça-feira, 14 de Abril de 2020
  • Ler em 2 minutos

As fronteiras terrestres entre Portugal e Espanha vão continuar encerradas, pelo menos até ao próximo dia 15 de maio, anunciou hoje o ministro da Administração Interna.

“Em coordenação com o Governo de Espanha aprovamos a prorrogação por mais um mês, até 15 de maio, dos controlos de fronteiras e da limitação a nove pontos de passagem exclusivos na nossa fronteira terrestre com Espanha”, disse Eduardo Cabrita, em conferência de imprensa realizada após a sétima reunião da estrutura de monitorização do estado de emergência.

O controlo das fronteiras terrestres com Espanha está a ser feito desde as 23:00 do dia 16 de março em nove pontos de passagem autorizada.

Os pontos de fronteira em funcionamento são Valença-Tuy, no Minho, Vila Verde da Raia-Verín, Quintanilha-San Vitero, Vilar Formoso-Fuentes de Oñoro, Termas de Monfortinho-Cilleros, Marvão-Valência de Alcântara, Caia-Badajoz, Vila Verde de Ficalho-Rosal de la Frontera e Vila Real de Santo António-Ayamonte.

No âmbito do controlo das fronteiras, estão impedidas as deslocações turísticas e de lazer entre os dois países, sendo apenas permitida circulação de transportes de mercadorias e de trabalhadores transfronteiriços .

Na conferência de imprensa, Eduardo Cabrita frisou que o Governo está em sintonia com a posição expressa pelo Presidente da República no sentido de o estado de emergência ser prolongado por um terceiro período, a partir do dia 18 e até ao início de maio.

O ministro considerou também essencial a avaliação que vai ser feita esta semana pelos epidemiologistas, sublinhando que “é fundamental prosseguir este esforço” e participar no debate europeu que está em curso para uma estratégia gradual e coordenada de retorno de algumas atividades económicas.

“Qualquer gradual retorno de atividades exige que se tenha um grande respeito pelas obrigações de distanciamento social, proteção dos mais vulnerais, e de que se deem passos sustentados no país e interligação com todos os países à escala europeia”, disse ainda.

A estrutura de monitorização, presidida pelo ministro da Administração Interna, faz o acompanhamento e produz informação regular sobre o estado de emergência.

Integram esta estrutura representantes das forças e serviços de segurança e secretários de Estado das áreas governativas da Economia, dos Negócios Estrangeiros, da Presidência do Conselho de Ministros, da Defesa Nacional, da Administração Pública, da Saúde, do Ambiente, das Infraestruturas e Habitação e da Agricultura.

Em Portugal, segundo o balanço feito hoje pela Direção-Geral da Saúde, registam-se 535 mortos, mais 31 do que no domingo (+6,2%), e 16.934 casos de infeção confirmados, o que representa um aumento de 349 (+2,1%).

Dos infetados, 1.187 estão internados, 188 dos quais em unidades de cuidados intensivos, e há 277 doentes que já recuperaram.

Portugal, onde os primeiros casos confirmados foram registados no dia 02 de março, encontra-se em estado de emergência desde de 19 de março e até ao final do dia 17 de abril.

Gosto do artigo
Palavras-chave
Publicado por
Publicado em Última Hora