Bombeiros Voluntários de Viseu “lutam” para continuar o transporte de doentes suspeitos de Covid 19

Os Bombeiros Voluntários de Viseu são confrontados com a imperiosidade de adotar medidas excecionais e exigentes no contexto do surto do Covid 19.

Texto Rua Direita Fotografia Direitos Reservados (DR)

Tópico(s) Artigo

  • 21:30 | Terça-feira, 14 de Abril de 2020
  • Ler em 2 minutos

Os Bombeiros Voluntários de Viseu são confrontados com a imperiosidade de adotar medidas excecionais e exigentes no contexto do surto do Covid 19.

Segundo Lúcio Campos, vice-presidente da direção, “para poderem continuar a prestar um serviço de qualidade e dedicação, com rigor e profissionalismo devem diminuir a exposição ao risco dos profissionais por forma a estarem aptos a acorrer a outras situações como incêndios urbanos ou florestais, acidentes, transporte de doentes, limpeza de vias, etc.”

Desde o início de março, até esta data foram transportados para o Hospital ST em Viseu 26 doentes com suspeitas de COVID 19 sendo que 2 tiveram resultado POSITIVO, 15 resultado NEGATIVO e 09 ainda estão a AGUARDAR RESULTADO. Ou seja, são transportados, em média, 02 doentes por dia. Estes são previamente validados como suspeitos pelo Centro de Orientação de Doentes Urgentes (CODU) do INEM e na sua maioria encontram-se em lares e IPSS do Concelho de Viseu.

Neste período (01 de Março a 13 de Abril) também se registaram 16 incêndios urbanos, 03 incêndios rodoviários, 14 assistências a colisões e despistes, 218 emergências pré hospitalares, 327 transportes de doentes e 5 limpezas de via, num total de 623 ocorrências resultando em 2375 horas de empenhamento e muitos quilómetros percorridos.

Lúcio Campos referiu ainda “A Proteção Individual dos operacionais, sendo a maior das preocupações, levou a que fosse adquirido diverso equipamento de proteção (fatos integrais, mascaras, óculos, luvas, toucas e outro material de proteção) bem, como desinfetantes e outros produtos, com um custo aproximado dos 5 mil euros.

A maior dificuldade que é sentida é repor ou adquirir algum deste equipamento (mascaras ffp2, fatos integrais, luvas, mascaras cirúrgicas, etc) pois os fornecedores atualmente, devido à enorme procura, não têm capacidade de entrega levando também a um aumento significativo dos preços.

Sem Equipamento de Proteção Individual os Bombeiros não poderão continuar a fazer o transporte de doentes suspeitos com COVID 19.

De realçar e agradecer a elevada mobilização e o grande apoio que temos sentido por parte de empresas, instituições, entidades e cidadãos anónimos de Viseu que, de uma forma profundamente altruísta e solidária, têm respondido positivamente aos nossos apelos e nos têm feito chegar, sob várias formas (produtos alimentares, equipamentos de proteção individual, produtos de higiene, quantias em dinheiro, etc), um auxílio extremamente importante para o nosso normal funcionamento, destacando o apoio anual de 55 mil euros que a Camara Municipal de Viseu já disponibilizou.

No Quartel, face ao período crítico que vivemos, também foram realizadas algumas alterações nos procedimentos e medidas de proteção, nomeadamente a restrição de acessos unicamente a pessoas com estrita necessidade de o fazer, a passagem dos turnos de serviço de 08 para 24Horas, por forma a diminuir as rotações e aumentar a permanência do pessoal, implementação de regras de higiene e segurança bem como a recomendação de uso generalizado de máscara.”

Gosto do artigo
Palavras-chave
Publicado por
Publicado em Última Hora