Em Viseu, com Janos e Junos se comem os bolos e s’enganam os tolos…

Só tal justificaria as retóricas “elevadas” nas redes sociais, os epigramas mais cáusticos que mordazes e a recorrência a letras e tretas, mitos e lendas, para sustentar discursos onde a perfídia e a vilania se entrecruzam e, de mãos dadas, saem ao Rossio a dançar a tarantela, que e na sua origem, muito viva, se caracterizava por várias e rápidas trocas, também se associando ao tarantismo, que era nas primícias uma manifestação de delírio convulsivo.

Tópico(s) Artigo

  • 15:01 | Domingo, 25 de Abril de 2021
  • Ler em 3 minutos

Há uma crescente agitação nas hostes políticas viseenses.

Só tal justificaria as retóricas “elevadas” nas redes sociais, os epigramas mais cáusticos que mordazes e a recorrência a letras e tretas, mitos e lendas, para sustentar discursos onde a perfídia e a vilania se entrecruzam e, de mãos dadas, saem ao Rossio a dançar a tarantela, que e na sua origem, muito viva, se caracterizava por várias e rápidas trocas, também se associando ao tarantismo, que era nas primícias uma manifestação de delírio convulsivo.

Por sua vez, o invocado Jano, deus romano das mudanças e das transições (a Wikipédia ensino muito…), tem um poder centrado nos inícios e nos começos dos ciclos, poder esse que, com o tempo, se esboroa.


Jano aparece representado com uma face dupla e associa-se a portas, de entrada e de saída e ao passado em união com o futuro. Jano é o deus das escolhas e, em certas representações, surge até com 4 caras.

Jano é também satélite de Saturno. Quem presentificará neste contexto, Saturno, entalado entre Júpiter e Urano? Mas a pergunta de um milhão é esta: quem será, afinal, o poderoso Jano local, em cuja órbita muitos desejariam gravitar?

 

 

Juno – acresço eu para me dar ares – mulher de Júpiter, é rainha dos deuses e por tal muito invejada. O seu nome dá origem a Junho, mês em que se espera já haver grandes decisões a nível da política autárquica local. Ou será só em Setembro?

Juno aparece em forma de pavão (como os que se pavoneiam no Fontelo, estridentes na sua pupilação e fascinantes na sua colorida ostentação). Metaforizando a vaidade, carreiam penificando, às espaldas, as agruras da invídia.

 

 

A tribo agastada, perplexa e inquieta… pupila, acena com as penas da cauda e os 100 olhos de Argos semicerram-se. Fá-lo com criptográfica erudição, em narrativas iniciáticas e de seita, no discreto salão nobre do FB.

No entretexto se figuram as dúvidas e com elas se manifestam as angústias.

Também, os auspíces da desgraça, ávidos de vindita, se põem a ler o voo das aves e, nas suas volutas e circunvoluções, inconsolados do augúrio, sibilantes como em Cumas, numa shakespeareana tragédia, são Hamlet e entoam…

To be, or not to be, that is the question:

Whether ‘tis nobler in the mind to suffer

The slings and arrows of outrageous fortune,

Or to take arms against a sea of troubles

And by opposing end them.

 

Ou como Kafka reflitam, nas vascas da incredulidade, de atalaia às ameias do “Castelo”, quase às portas da “Metamorfose”:

“Talvez haja apenas um pecado capital: a impaciência. Devido à impaciência, fomos expulsos do Paraíso; devido à impaciência, não podemos voltar.”

E de facto e no fundo, a expulsão do Paraíso, por gula de uma maçã… só para quebrar o tédio ou agitar as abulias justificaria tantas e tão judicativas preleções.

 

Gosto do artigo
Palavras-chave
Publicado por
Publicado em Opinião

Office Lizenz Kaufen Windows 10 pro lizenz kaufen Office 2019 Lizenz Office 365 lizenz kaufen Windows 10 Home lizenz kaufen Office 2016 lizenz kaufen windows lisansları windows 10 pro satın al follower kaufen instagram follower kaufen porno