Viseu, uma cidade ao “Deus-dará”…

É normal. Ninguém quer saber. Ninguém monitoriza estas “obras”. Anda tudo ao Deus-dará… provocando quedas aos utentes mais idosos e incautos, como já tivemos ocasião de testemunhar. Este tipo de acção, cada vez mais, pela incúria, indiligência e incompetência demonstrada, se afigura como o rosto do executivo camarário viseense.

  • 12:39 | Sábado, 06 de Março de 2021
  • Ler em 3 minutos

Feios, porcos e maus é o título de um filme realizado por Ettore Scola, em 1976, que retratava de forma assaz mordaz a vida de Giacinto, mais a mulher, dez filhos e familiares numa sórdida barraca nos subúrbios de Roma.

Hoje, ao dar uma volta a pé pela cidade, por uma associação de ideias (inexplicável, decerto…) veio-me à cabeça este filme há muito visto.

Sem ir mais longe, junto ao Montebelo, há quase dois meses, uns empreiteiros bizarros, vieram aqui escavacar os passeios, como aliás andam a fazer por toda a cidade, para instalar acessos às passadeiras para cidadãos portadores de deficiência. A medida é louvável, porém a execução é lastimável. Começam e não acabam. Escavacam e não tapam. Sujam e não limpam.


É normal. Ninguém quer saber. Ninguém monitoriza estas “obras”. Anda tudo ao Deus-dará… provocando quedas aos utentes mais idosos e incautos, como já tivemos ocasião de testemunhar.

Este tipo de acção, cada vez mais, pela incúria, indiligência e incompetência demonstrada, se afigura como o rosto do executivo camarário viseense.

E que mais não fosse e se dúvidas houvesse, bastavam os 400 metros da fantástica ciclo via na Av. António José de Almeida, esventrada há quase um ano, ou os acessos à Casa de Saúde de S. Mateus, para não ir mais longe. Dois pontos constrangedores da fluida circulação urbana.

Por toda a parte por onde passam, a pretexto de fazer obra, estragam. Talvez seja uma estratégia para mostrar aos munícipes que esta cidade anda a fazer o que não faz: obras necessárias, importantes e consequentes para a qualidade de vida dos viseenses. Ilusionismo obreiro. Como a cobertura do Mercado 2 de Maio, uma casmurrice mal explicada e de contornos equívocos. O tempo o dirá, mas o mal estará feito.

Na Ribeira, desde candeeiros públicos ininterruptamente acesos, dia e noite há semanas, até ao lixo coalhado junto à ponte pedonal, no leito do Pavia, até à proximidade da paróquia de S. José onde o lixo das podas se acumula desde as calendas… tudo é a evidência do profundo desleixo que se amparou desta cidade, outrora orgulhosa de ser atraente, gaia e limpa.

E perante tanta e tão crónica ineficiência, Almeida Henriques tem a “lata” de vir pedir aos viseenses mais um mandato de quatro anos.

Para quê?

O tal que diz “acho (não tem a certeza) que tem de haver uma ligação afectiva (só queríamos efectiva…) entre o presidente da autarquia e o concelho que gere”, o tal que afirma “tenho de ser ( não conseguiu em 8 anos e agora é que é…) um presidente de câmara que não desiste de nada do que perspectivou fazer e está no terreno (em qual?) todos os dias.”

Lololol…

Gosto do artigo
Palavras-chave
Publicado por
Publicado em Editorial

Office Lizenz Kaufen Windows 10 pro lizenz kaufen Office 2019 Lizenz Office 365 lizenz kaufen Windows 10 Home lizenz kaufen Office 2016 lizenz kaufen windows lisansları windows 10 pro satın al follower kaufen instagram follower kaufen porno