Vil canalha

por Paulo Neto | 2014.04.24 - 21:09

A Associação 25 de Abril cunhou sua medalha, fez seus pins, imprimiu o seu cartaz.

Todos os anos o faz e a imagem é sempre de alento, esperança e alegria.

Desta feita, quando são volvidas quatro décadas, o cartaz é muito simples: fundo vermelho e a branco, ocupando toda a altura, um ponto de interrogação ente as duas datas 1974 ? 2014.

Este ponto de interrogação pode ter várias leituras. É um sinal que geralmente aparece nas perguntas. Mas aqui nada se pergunta… Aparece também como sinal de dúvida. Um ícone que pode querer dizer estranheza, hesitação, incerteza, indecisão, perplexidade…

O contrário de certeza.

Talvez seja essa a mensagem daqueles que fizeram Abril: a dúvida sobre o caminho desviado dos ideais da democracia.

A pergunta por todos nós já formulada: Para onde vamos?

A estranheza pelo caminho que se está a seguir.

A hesitação da atitude a tomar perante a realidade dos factos.

A indecisão sobre este estado de sítio.

A perplexidade pelo rumo tomado e pela passividade de um povo que se deixa espoliar das suas democráticas conquistas enquanto, alheio, vibra a toque de golos.

O 25 de Abril assim deixado nas mãos dos seus destruidores, tão nocivos quanto aqueles que o Movimento das Forças Amadas derrubou com um golpe de estado.

O 25 de Abril valeu a pena?

Decerto que sim.

Pena foi dele emergir tal e tão vil canalha…

E o ponto de interrogação pergunta-o: Como foi possível?

post scriptum: o ano de 1974 vem no verde de Portugal; o ano de 2014 vem no negro de luto…