Vergonha na cara? — “Quem, eu?”

por Paulo Neto | 2016.03.04 - 12:01

 

 

Conheci Políticos com maiúsculas. Sem esgotar cito alguns: Salgado Zenha, Adriano Moreira, Maria de Lurdes Pintassilgo, Sá Carneiro, Álvaro Cunhal, Ramalho Eanes, etc.

Conheço políticos minúsculos: arnaut, moedas, gaspar, constâncio e maria luís albuquerque, entre outros.

Os primeiros, a seu modo e dentro da sua respeitável ideologia – a democracia faz-se de pluralidade… –  lutaram pelas suas crenças, sofreram por elas, viveram por elas e pelo seu ideário e para o povo do seu país.

Os segundos lutaram pelos seus interesses pessoais, ganharam com a política, viveram para si próprios, rastejaram perante os macro interesses económicos mundiais em detrimento do seu povo e do seu país, beijaram os pés aos mercados e receberam as recompensas de meninos bem-comportados, aqueles que têm sempre garantido um lugar de topo no quadro de honra da desgraça alheia .

Maria Luís Albuquerque, cadeira ainda quente de ministra, foi a representante do governo português no escandaloso processo Banif que custou mais de 3 mil milhões aos contribuintes. A Withestar Asset Solutions, do grupo Arrows, comprou 300 milhões de crédito em risco do Banif.

A ex-ministra que o vendeu vai agora para sua directora, directora da empresa adquirente desses créditos. Quanto é que a Withestar lucrou com a negociata? Quem lha proporcionou?

Qualquer bocadinho de bom senso levaria a que a ex-ministra não aceitasse ir para uma empresa que teve ligações ao Ministério das Finanças. E, ainda por cima, ligações prejudiciais para o país.”, diz Manuela Ferreira Leite, uma Senhora do PSD.

Eu, pobre tuga esbulhado de direitos após uma vida inteira de trabalho, mais uns milhões de pobres tugas meus semelhantes, nem sabemos o que dizer…

O PSD engrandece-se com atitudes deste teor? É este o PSD renovado – e recém-lixiviado – que Passos Coelho quer novamente vender aos incautos?

Esta gente fia-se num pressuposto básico: Isto vai dar uma semana de bruáá e depois todos se esquecem, porque os tugas são amnésicos, brandos, acríticos e acéfalos, na sua ancha maioria. Agustina tem uma frase catita no seu “Dicionário Imperfeito”:

É coisa nossa esquecer com indolência o que tramamos com ímpeto…”

Hoje é o dia 4 de Março. No dia 11 já ninguém se lembra…