Um executivo “papa-euros”?

por Paulo Neto | 2020.01.11 - 13:44

O despautério das contas públicas da Câmara Municipal de Viseu começa a ser de tal forma que os munícipes começam a abrir da vista e a mostrar a sua preocupação com o que por ali vai…

Ainda há dias, três pacatos cidadãos, na mesa ao lado, no café, discutiam o assunto nestes termos:

“Mas o presidente diz que nunca houve tanta saúde financeira. Que o município é de boas e transparentes contas!”, dizia um.

“Pois, o Ruas deixou a casa arrumada e a contabilidade folgada!”, acrescentava outro.

Então expliquem-me lá, se assim é, para que se foi aos SMAS buscar um milhão de euros, quando o natural seria o contrário, para despesas de actualização, modernização, manutenção e outras? Porque está a Viseu Marca, essa estranha PPP, agora da CMV, da AIRV e da ACV, a participar em gastos do município? A que se deve o buraco de alguns milhões? Segundo o anúncio de Almeida Henriques, para que vai ser feito um pedido de empréstimo de 8,5 milhões de euros, por 20 anos e com um período de carência de 2 anos, atirando os encargos da dívida para executivos futuros?”, retorquiu outro.

Pois, parece que o dinheiro se foi esgotando com tantas festarolices e festivais da treta.”, volveu o primeiro.

Mas o mais grave, é que não se vê uma única obra de vulto e Viseu perde qualidade de vida diariamente. Até deixou de ser uma cidade airosa e limpa. Se deixar de ter saúde financeira, então é o caos!”, retornou o segundo.

(…)

E lá continuaram nesta cavaqueira, bisonhos, preocupados, desanimados e desiludidos, porque, afinal, todos eles… tinham votado no sucessor de Ruas, fiados na continuidade das boas práticas autárquicas e no respeito pelo erário publico.

Paulo Neto