“Quanto mais conheço os homens mais gosto de cães”

por Paulo Neto | 2017.03.10 - 21:58

 

 

O cabeçalho do “órgão-quase-caixa-de-eco” camarário de hoje, trazia esta assertiva notícia:

 

Polícia Municipal será “inflexível” com donos de cães
A Polícia Municipal de Viseu não vai ‘perdoar’ aos proprietários que passeiem os seus cães na via pública sem trela ou que, caso seja obrigatório, não estejam a usar açaime. No final da reunião do executivo, o presidente da Câmara de Viseu, Almeida Henriques, revelou aos jornalistas que deu instruções à Polícia Municipal para ser “inflexível”, mesmo no caso dos proprietários que não apanham os dejectos dos seus animais.

……………………………………………..

 

Já há muito tínhamos constatado as atitudes canideofóbicas de Almeida Henriques. Quem não se recorda do seu noticiado chorudo contributo para o canil/gatil intermunicipal do Sátão, onde os animais se “finavam” ao fim de x dias e eram incinerados num forno aí existente?

Ler aqui:

http://www.ruadireita.pt/editorial/o-que-e-um-canilgatil-intermunicipal-um-auschwitz-canideofelideo-ou-um-lugar-destinado-a-alojamento-de-caes-ou-gatos-13887.html

 

Depois, esquecendo-se da limpeza por essa localidade fora, com excepção dos locais de “parada”; não se lembrando das inúmeras situações detectadas numa cidade muito suja pelos humanos e pela indiligência dos serviços de limpeza, mandou semear as “palaquetas” da dog shit, que muito embelezaram a urbe.

Agora, provavelmente tendo descoberto que os PM’s andavam insuficientemente produtivos para a despesa que geravam, arranjou-lhes uma ocupação “inflexível”.

Estimado leitor amante dos animais de companhia – hoje dos cães, amanhã dos gatos e outros – comece a sair de casa com o “colete” e o “capacete”, pois a abrangência semântica do “inflexível” não foi definida…

Caros eleitores, em breve vamos ter sufrágio para as autárquicas. Todos aqueles que têm animais de estimação, na hora própria e decisiva, lembrem-se dos vossos “amigos”.

Mas aquilo mesmo que gostava de ver… eram certos políticos da nação com trela, para sabermos a quem pertence a mão que a segura. Aqueles políticos danosos, lesivos, geradores de buracos sem fundo na coisa pública, de administrações ruinosas de milhares de milhões, de inconfessados actos de duvidosa opacidade e fecunda ilegalidade… a esses sim, uma trela talvez os controlasse.

Quanto à Polícia Municipal, Almeida Henriques rebaixa-os e dá-lhes um provável estatuto de “caça-cães”. Devia ter mais respeito. Mas respeito parece não fazer rima com a atitude do ser/parecer deste autarca; com a sua sede de “agenda”; com o seu mediatismo bacoco, com a sua carência de holofote.

E já agora, a umas centenas de políticos rosnentos dessas praças por aí, ali e acolá… porque não “açaimá-los” também?

Quanto ao “perdão” que a PM não vai conceder, percebemos quanto a mundivivência de sacristia pode contaminar uma retórica: “pecado” e “perdão” lembram-lhe o quê, caro leitor?

Impolutas e imaculadas, tais vozes, ou contaminadoras de todas as linguagens pela sua apropriação indevida e uso abusivo? E também pelo léxico repressivo “bolsado”. Serão meras isotopias, ou imagens obsidiantes?

A autoridade de muitos indivíduos apura-se quando investidos de certas funções. Proibir é um dos seus vocábulos preferidos. Um léxico de “proibição” serviu de fundamento, argumento e pretexto aos mais atrozes actos que a História nos demonstrou, como incipiência e barbaridade de toda a arrogante autocracia.

Nota final:

Não tenho animais de estimação. Mas tenho saudades dos que tive e cada vez mais os aprecio, ao dar eco à vox populi: “Quanto mais conheço os homens mais gosto de cães”.