Portugueses de bem

Na sua algazarra incoerente, do sim, do não, do nim e nos ziguezagues do seu crónico slalom, o candidato assumido de alguns portugueses e não dos portugueses, facto que não se cansa de vincar, enfatizando agora com esta leva de outdoors, o que pensa dos seus concidadãos: há os de bem e os de mal. Os de bem são os dele, os de mal são os dos outros candidatos.

  • 14:07 | Segunda-feira, 11 de Janeiro de 2021
  • Ler em 2 minutos

O último outdoor da campanha do candidato do Chega apresenta-se com a fotografia do dito e com o slogan “Presidente dos Portugueses de Bem”.

É singularmente pérfido o discurso deste político. Já ninguém o ignora e cansámo-nos de o ver regurgitar ódio e mentira nos debates presidenciais. Candidatura que só tem um objectivo: dar-lhe tempo de antena e a exibição que tanto colhe no seio dos ressabiados da Nação.

Na sua algazarra incoerente, do sim, do não, do nim e nos ziguezagues do seu crónico slalom, o candidato assumido de alguns portugueses e não dos portugueses, facto que não se cansa de vincar, é enfatizado agora com esta leva de outdoors: há os de bem e os de mal. Os de bem são os dele, os de mal são os dos outros candidatos.

Num dualismo manicaísta primário (passe a redundância) entre o bem e o mal, ressuscita aqui as tenebrosas forças da opressão cega e da divisão xenófoba séculos fora. Fenómeno que julgávamos extinto com os dramáticos exemplos do recém-passado século XX .

Mas mais, assume-se numa retórica básica, centrada no “framing”, como uma espécie de herói ao estilo Capitão América, porta estandarte dos bons, que o seguirão como se fosse o flautista de Hamelin, na impenitente cruzada contra os maus que serão, naturalmente, todos aqueles que não seguem o seu encantatório e letal canto da sereia.

Evidentemente que o espaço para o aparecimento destes indivíduos surge um pouco, também, por culpa e falhanço de outros políticos que, em democracia, cometeram erros que agora servem de bandeira e mote para esta emergente extrema-direita, a exemplo do que se vê nos EUA com Trump, no Brasil com Bolsonaro, na Hungria com Vicktor Orban… e por aí fora

Porque não voto em radicais populistas, pessoalmente, dentro desta perspectiva dual que o líder do Chega apregoa, serei um “português de mal” (o que quer que isso signifique para além de um significante de significado difuso, neste contexto).

E se os “portugueses de bem” são a imagem deste líder, muito me congratulo por estar do outro lado da “barricada”. “Barricada” essa onde se situa a maior percentagem dos portugueses, felizmente…

Gosto do artigo
Palavras-chave
Publicado por
Publicado em Editorial

Office Lizenz Kaufen Windows 10 pro lizenz kaufen Office 2019 Lizenz Office 365 lizenz kaufen Windows 10 Home lizenz kaufen Office 2016 lizenz kaufen office lisans satın al office 2019 satın al