Perverso, o passado próximo…

...o virar costas ao interior, a penalização habitual dos mais desfavorecidos, o emagrecimento do sector público sem olhar às vítimas daí advenientes; ou seja, a visão redutora, imobilista e atávica do problema, que foi centrada no eixo meramente economicista dos governos de então.

  • 11:21 | Segunda-feira, 06 de Setembro de 2021
  • Ler em 2 minutos

Perverso, etimologicamente, pode querer significar, pela via ou lado errado.
Há uma relação perversa entre uma década de encerramento de escolas, em Portugal (1999-2010), os factos incredíveis então invocados para o efeito e a contínua desertificação do interior do país.

Segundo dados publicados em 2010 na revista “Visão”, se entre 1999 e 2008 se eliminaram 3721 escolas, só em 2010 encerraram 701. Um número recorde. Destas, 383 situavam-se no Norte. E nos distritos de Bragança, Vila Real e Guarda.
Como um mal não vem só, alguns distritos são também penalizados com o encerramento de centros de saúde, urgências hospitalares e postos de correio.

 

Imagine-se o leitor a viver num destes distritos. No seu agregado familiar tem 4 pessoas: o casal e dois filhos menores. Os serviços essenciais vão-lhe sendo retirados. O seu centro de saúde fechou. A escola onde os seus filhos estudavam desapareceu. Que o mantém nesta localidade? Um amor profundo à terra, às raízes? Ademais, o casal em causa paga os seus impostos como um análogo casal residente em Lisboa, em Aveiro, no Porto. Será legítimo pensar que o estão a mandar para fora do seu torrão natal? Penso que sim. E penso mais, que os pressupostos da sociabilização das crianças, a falaciosa premissa do insucesso escolar estar aliado ao escasso nº de alunos, a promessa então feita e incumprida da criação de mais valências hospitalares em unidades distritais, etc., serviram apenas para ocultar a face dura, cruel, mesquinha e terrífica desta realidade: o virar costas ao interior, a penalização habitual dos mais desfavorecidos, o emagrecimento do sector público sem olhar às vítimas daí advenientes; ou seja, a visão redutora, imobilista e atávica do problema, que foi centrada no eixo meramente economicista dos governos de então.


Depois, os governantes queixaram-se muito do envelhecimento gradual e galopante do país, onde hoje, os jovens, além da precariedade da sua situação profissional, de um mundo laboral adverso à natalidade, não têm, não podem, não querem ter filhos. Até e porque o mundo para o qual eles nascem lhes é profundamente adverso. Não-afectivo. Por outro lado, quando o essencial lhes é negado, como escolas e serviços médicos, porquê tê-los ou sequer, manterem-se numa zona interior que foi votada ao abandono e ao desprezo?

As migrações lusitanas são ancestrais; as dos “ratinhos” paradigmáticas; as de hoje, com a reiterada “fuga” para os centros urbanos é um êxodo, que de tão maciço, se tornou numa calamitosa praga, deixando às urtigas, devastação pelo fogo e misérrimas condições de vida, uma parte do continente português, reduto geriártrico de cidadãos à espera do fim. Porém, tal desrazoável fenómeno não tende a estancar-se e a cicatrizar. Cada vez sangra mais, deixando exangue grande parte do país real, abandonado e em saldo…

Gosto do artigo
Palavras-chave
Publicado por
Publicado em Editorial
Porno Gratuit Porno Français Adulte XXX Brazzers Porn College Girls Film érotique Hard Porn Inceste Famille Porno Japonais Asiatique Jeunes Filles Porno Latin Brown Femmes Porn Mobile Porn Russe Porn Stars Porno Arabe Turc Porno caché Porno de qualité HD Porno Gratuit Porno Mature de Milf Porno Noir Regarder Porn Relations Lesbiennes Secrétaire de Bureau Porn Sexe en Groupe Sexe Gay Sexe Oral Vidéo Amateur Vidéo Anal

Office Lizenz Kaufen Windows 10 pro lizenz kaufen Office 2019 Lizenz Office 365 lizenz kaufen Windows 10 Home lizenz kaufen Office 2016 lizenz kaufen windows lisansları windows 10 pro satın al follower kaufen instagram follower kaufen porno