No meio da maior penúria, floresce a maior riqueza

por Paulo Neto | 2015.08.01 - 22:02

 

Deve ser boa, a riqueza. Que o digam os 10 mais ricos de Portugal…

http://www.economias.pt/os-mais-ricos-de-portugal/

E porém… “Crise tirou 3,6 mil milhões aos salários e deu 2,6 mil milhões ao capital“…

http://www.dinheirovivo.pt/Economia/interior.aspx?content_id=3983489

Os Dupond, Coelho&Portas cumpriram excelentemente o seu papel: tirar a 10 milhões para dar a 10.

A precariedade, o desemprego, a miséria, a falência de milhares de PME’s, a mão-de-obra barata, os estagiários semi-pagos pelos contribuintes, a política neo-liberal, as privatizações em massa… tudo isso e muito mais permitiu aos mais ricos tirarem todo o partido da conjuntura actual.

Coelho&Portas governaram para eles e para os mercados.

Não governaram para os portugueses, em geral, principalmente, não governaram para os jovens que ainda emigram às carradas, não governaram para uma classe média exangue e depauperada, não governaram para os reformados que mal sobrevivem, não governaram para os idosos que não vivem, não governaram para os mais pobres que estão indigentes…

1/5 da população portuguesa vive na maior pobreza. Um em cada cinco portugueses. Mais de 2 milhões de portugueses.

Este é o resultado de quatro de governação da dupla que veio salvar Portugal.

Agora, com a situação agravada, pedem mais quatro anos, porque agora é que vai ser, agora é que chega o paraíso…

Com um discurso cínico e mentiroso, lixiviam o passado e tentam branquear o mal feito. O mal feito a mais de 10 milhões de portugueses em prol de 10 cidadãos… Coelho&Portas devem-lhes ir pedir o voto.

Passos luta por Abril e tem chave do futuro”, refere a CS caixa de eco do governo. Os portugueses que sobre esta frase reflectirem, já nem um sorriso triste conseguem ensaiar.

 

Nota: A foto publicada é de minha autoria, Paulo Neto, foi tirada em Viseu, junto à Cava de Viriato. Aparece na web como sendo do “colectivo libertário.wordpress…” (?), mas não faz mal. Ainda bem que pode ser útil a vários utentes.