João Paulo Rebelo: Empresário ou Secretário?

João Paulo Rebelo, que foi vereador do PS à Câmara de Viseu, esteve em tempos ligado à Movijovem, que por sua vez teve uma polémica ligação ao Grupo Lena.

  • 14:13 | Sexta-feira, 25 de Maio de 2018
  • Ler em 2 minutos

Acordámos hoje com uma revoada de notícias acerca de membros do Governo e suas ligações ao mundo empresarial. Ao ministro Siza Vieira junta-se agora o viseense João Paulo Rebelo.

 

Segundo as últimas notícias que pode ler nos links infra, o secretário de Estado da Juventude e do Desporto teria uma sociedade unipessoal, constituída em Dezembro de 2012, dedicada à lavoira, mais concretamente à exploração de mirtilos.

Esta exploração de mirtilos tem relações associadas à COAPE, Cooperativa Agro-Pecuária dos Agricultores de Mangualde, cujo presidente, Rui Costa, é também, entre outras funções de professor, vereador da Câmara local, com o pelouro das florestas, etc.

Estas explorações agrícolas foram co-financiadas com fundos comunitários e, à época, a COAPE “arregimentou” umas dezenas de associados para gerar produção e criar, ao que supomos, a escala necessária a uma forte implementação no mercado.

Seria hoje interessante percebermos quantos destes empresários agrícolas levaram ao fim o contratualizado com o Programa que os financiou e percebermos também porque é que João Paulo Rebelo manteve este empreendimento, quando entretanto se tornou co-proprietário da empresa Legenda Transparente, Lda, sita na Avenida Alberto Sampaio, nº 132 2º, em Viseu, detentora do Jornal do Centro, em sociedade com João Cota, empresário ligado ao PSD e à AIRV e Francisco Rebelo, do Grupo Lena Comunicação.

Na véspera de ser empossado como deputado pelo PS à Assembleia da República, provavelmente para ultrapassar incompatibilidades ou para assegurar o regime de exclusividade como deputado, que usufrui de outro vencimento, João Paulo Rebelo terá vendido ou cedido a sua quota aos outros dois sócios.

João Paulo Rebelo, que foi vereador do PS à Câmara de Viseu, esteve em tempos ligado à Movijovem, que por sua vez teve uma polémica ligação ao Grupo Lena. Ler aqui

E citamos parte da notícia:

“A partir daqui, num curto “flashback”, o Jornal i recorda tempos idos acerca de “pagamentos adiantados na ordem dos 900 mil euros, feitos pelo actual secretário de Estado João Paulo Rebelo, a empresas para obras de eficiência energética nas pousadas que não chegaram a ser realizadas”, tendo Emídio Guerreiro, anterior secretário de Estado da mesma pasta, levantado essas dúvidas. Mais acrescenta que o caso está nas mãos do MP.”

Curioso é uma dessas empresas pertencer ao Grupo Lena, de Leiria e, em Janeiro de 2014, o jovem viseense ter feito uma sociedade (Legenda Transparente, Lda.) com um administrador do Grupo Lena Comunicações para aquisição de um jornal de Viseu, cuja participação vendeu mal foi eleito deputado. Sem quaisquer dúvidas uma mera e banal coincidência.

De tudo isto ainda restarão dúvidas de que João Paulo Rebelo tinha conhecimento de que não poderia acumular a actividade empresarial com a política? E talvez nesse enfoque ou entendimento, terá deixado de ser, empresário da comunicação social, na véspera de tomar posse como deputado.

Ter-se-á esquecido da outra empresa, “João Paulo Rebelo, Unipessoal, Lda.”? Ou terá pensado que a vida de empresário agrícola (co-financiado) seria uma forma de descerebralizar das inquietações da governação e um modo de higienizar, respirando os bons ares campestres?

Decerto que tudo isto são meras coincidências que de imediato, o governante virá a terreno explicar, para que não pairem quaisquer dúvidas sobre a sua íntegra personalidade.

O Rua Direita, solidário, vaticina-lhe a clareza e a capacidade de afastar as nuvens negras que alguns, malevolamente decerto, puseram a pairar sobre a sua pessoa.

Gosto do artigo
Publicado por
Publicado em Editorial