Este ofensivo ruído…

Quem ignora que num mundo onde há centenas de milhões de corruptos, não o ser é quase ofensivo, e sê-lo ou ser vigarista e ladrão é hoje tão comum que se perdeu o anátema e o opróbrio da mácula?

  • 19:41 | Quarta-feira, 01 de Dezembro de 2021
  • Ler em 2 minutos

A televisão cada vez nos oferece mais canais e, todavia, não nos oferece mais atributos nem mais diferença.

Nos tempos que correm, a necessidade de informar, por excesso e diferença, repetitivamente com conteúdos de há três dias, de há dois dias, do dia anterior, repetidos à exaustão, fizeram da caixa mágica um papagaio falante, parco de novidade e ainda mais de qualidade, só apostada na quantidade.

Dos canais especificamente dedicados a escarafunchar na desgraça humana, dos crimes aos acidentes, onde jornalistas se veem obrigados ao recitativo psitacista nauseante, até aos canais públicos, a tentarem dar uma no cravo e outra na ferradura para manterem as audiências, a pobreza é franciscana.


O ruído, então, ganha foros de atoarda a estrepitar centenas de vezes ao dia com o “virtuoso” triângulo do futebol: vitórias, derrotas e corrupção, ou com dezenas de doutorados em pandemia a “estuprarem-nos” com as suas mirabolantes e fantasiosas interpretações subjectivas da “coisa”, servida com toneladas de hipotéticos números do porvir.

Quem ignora que este excesso de ruído nos azoa e nos inviabiliza a captação do essencial, do substantivo, perdidos e insensíveis no lodaçal adjectivo da vulgaridade?

Quem ignora que num mundo onde há centenas de milhões de corruptos, não o ser é quase ofensivo, e sê-lo ou ser vigarista e ladrão é hoje tão comum que se perdeu o anátema e o opróbrio da mácula? E de onde vem esta vulgarização? Da repetição até à saciedade…

E que a informação, naufragada nos sargaços do blá-blá, perde a sua essência fundamental, tornando-se num mero”match” de mercado a difundir “ópio ao povo”, a troco do “share” que o CEO venera?

Raras são as excepções, mas existem. Embora algumas, porque incómodas e geradoras de urticária, tivessem os dias contados, como o “Sexta às 9”, da Sandra Felgueiras.

Gosto do artigo
Palavras-chave
Publicado por
Publicado em Editorial