Bancos que pagam a 0,6 e cobram a 7% ou +

por Paulo Neto | 2015.09.25 - 08:46

Tenho que confessar com mais tristeza que humildade que sou melhor em letras do que em números. A minha formação filológica talvez o explique, mas para além de não me dilucidar certas retóricas enviesadas de indivíduos com poder e de pelintras que se julgam poderosos, também não me explica porque é que a Banca se tornou uma das maiores pragas do século XXI…

Os desmandos  consentidos made in USA do subprime de 2008, esses tóxicos criados com muita prestidigitação e ficção, mostraram-nos um sistema financeiro podre, corrupto e gordurento.

Provaram-nos que alguns bancos são um cancro das economias globais. Demonstraram-nos que esse sector pode ser de uma ignomínia vil e que por cada instituição honesta e credível, apresenta-nos meia dúzia desprovida de quaisquer escrúpulos, gerida por agiotas onzeneiros, muito lestamente alcandorados a patamares onde eles próprios nunca pensaram chegar. Via partidária ou outra.

Então quando a banca anda de mãos dadas com a politiquice e os politiqueiros,  o caso pode ganhar foros de duvidosa transparência ou certeira opacidade.

Em Portugal existem alguns casos paradigmáticos de instituições bancárias com práticas abusivas, escandalosas, danosas e criminosas que custaram aos contribuintes biliões de euros em burlas porfiadas.

Todos os temos e teremos bem presentes para haver necessidade de relembrar o nome desses vigaristas de altíssimo coturno.

E porém, perante a agiotagem por muitas praticado é quase incompreensível a falta de saúde financeira de umas, assim como claramente inteligível a nédia obesidade de outras.

Dirija-se a uma instituição bancária, de tipo mutualista ou outro, e coloque algumas perguntas tão simples quanto estas:

A primeira: qual a taxa de juro paga por depósitos à ordem de por exemplo 5 mil euros?

Resposta: os depósitos à ordem não são remunerados. E são acrescidos (ou não) de despesas de manutenção. (O cliente é  “aliviado” para lá ter o dinheiro.)

A segunda: qual a taxa de juro paga por um depósito a prazo de 365 dias, para uma quantia de por exemplo 15 mil euros?

Resposta: pode pagar-se um juro majorado de 0,6% ano, sobre o qual o cliente paga um imposto de 28%.

A terceira: quanto se paga de juro anual por um crédito pessoal/consumo?

Resposta: hum… variável, pode ir de 7 a 12,5%, mais taxas, sobretaxas, impostos e estranhíssimas comissões que, dizem eles pelo seguro, são todas abençoadas e ratificadíssimas pelo Banco de Portugal.
Perante este cenário, percebe-se um pouco pior a crise e a insolvência de alguns bancos e um pouco melhor a saúde e bem-estar de outros. Pagar a 0,6% (ilíquidos) e emprestar esse $$$, por exemplo e pelo baixo a 7% parece ser um negócio da China… Desde que não se cometam erros crassos nem a cupidez tente ou o deslumbramento cegue ou alucine.

É por isso que alguns administradores saltitam mais bem cevados que bísaros bairradinos e outros há que a Justiça condena a prisão e o MP persegue em vão. Os ditos administradores dos dinheiros que os clientes lhes confiam…

Isto tem muito que se lhe diga e ainda a procissão não saiu da sacristia, quanto mais chegar ao adro… É um study case digno de teses de doutoramento. Deixa-se a sugestão aos investigadores e académicos.
Mas, voltando ao início deste editorial, a minha confessada incompreensão só pode ser explicável pela minha formação, não em economia, gestão ou 4ª classe à pressão, mas em literaturas românicas.

Só pode…

E se por académica e remota hipótese a maioria dos clientes passasse a guardar os magros ou gordos aforros debaixo do colchão? O que aconteceria?

Há uma atitude, porém, que devemos ter sempre presente e face a eventuais abusos … com duas ou três certeiras e fundamentadas participações não há gerente, director ou administrador que se aguente nas canelas.

Por isso, caro leitor ande atento e escreva, escreva, escreva…

E quando se sentir lesado, prejudicado ou ofendido com o que considerar prepotências, suspeições ou más práticas, lembre-se, por exemplo, deste endereço (até tem formulários on line):

Banco de Portugal  – Reclamações sobre instituições financeiras

Apartado 2240 / 1106-001 Lisboa

(Ao abrigo da Lei nº 67/98, de 26 de Outubro, “participar uma infracção”).
Aqui pode ler mais um caso em que o MP pede prisão efectiva de ex-administradores…

http://www.msn.com/pt-pt/noticias/other/minist%c3%a9rio-p%c3%bablico-quer-pris%c3%a3o-efetiva-para-rendeiro-e-ex-administradores-do-bpp/ar-AAeJl5w?ocid=spartandhp