As “lapas” do poder

No Brasil, o seu discípulo e adepto Jair Bolsonaro, a escassos dias das eleições de 2 de Outubro (1ª volta), nas quais se confronta com seu émulo Lula da Silva, face às mais recentes sondagens de finais de Julho que dão a Lula da Silva 47% contra 29% a Jair Bolsonaro, tem levado ao recrudescer do discurso do ódio, da violência e da vitimização por parte deste último.

  • 16:26 | Sábado, 13 de Agosto de 2022
  • Ler em 2 minutos

Já aqui escrevemos que há pessoas as quais, sem o arrimo e esteio do poder, não são ninguém. Ou melhor, não passam de cidadãos vulgares de Lineu, cinzentos, apagados e iguais a muitos milhões de outros por esse mundo fora.

Por isso, conscientes de que o exercício do poder público lhes concede inúmeras mordomias, arbítrio e alçada real sobre os outros e sobre as circunstâncias, holofote mediático e veneração, todos se encarniçam para o obterem ou nunca o deixarem.

Aconteceu com Donald Trump. Acontece com Jair Bolsonaro. Acontece com Vladimir Putin, etc., etc., etc.


Nos EUA onde o FBI, polícia do Departamento de Justiça, de investigação e serviço de inteligência interna, foi superiormente incumbido pelas autoridades judiciais de fazer buscas numa das mansões do ex-presidente, em busca de documentos “classificados” e irregularmente tirados da Casa Branca, Trump, que sempre se creu acima de qualquer lei, impune e imune a todas as regras e normas vigentes e regentes, em casa de quem se encontraram “arrecadados” milhares de documentos em dezenas de caixas propriedade do Governo Norte Americano, desencadeou, como é de seu timbre e tom, mais uma campanha de apelo ao ódio, dizendo-se vítima de uma caça às bruxas.

Vítima é o papel que ele melhor sabe representar sempre que a verdade dos factos lhe é adversa ou não se sujeita às regras democráticas.

Aquando das últimas eleições, ciente da derrota, apelou à violência e o resultado foi a invasão do Capitólio com mortos e feridos daí resultantes.

O ultraje da maioria dos seus actos, a vileza de um indivíduo que chegou ao topo do poder nos USA, a continuidade da sementeira de ódio que vem praticando, fazem dele uma espécie de Capitão América de 5ª categoria, idolatrado pelos seguidores do Rambo e do Super Homem.

No Brasil, o seu discípulo e adepto Jair Bolsonaro, a escassos dias das eleições de 2 de Outubro (1ª volta), nas quais se confronta com seu émulo Lula da Silva, face às mais recentes sondagens de finais de Julho que dão a Lula da Silva 47% contra 29% a Jair Bolsonaro, tem levado ao recrudescer do discurso do ódio, da violência e da vitimização por parte deste último.

Afinal, parece estarmos perante governantes inconformados com as decisões populares, avessos à democracia quando esta lhes é desfavorável e aos seus intentos, incipientes déspotas admiradores dos métodos de Putin para a perpetuação no poder. No poder que só a força, a repressão, a opressão, a censura e até a supressão permitem sem qualquer legitimidade que não o da desrazão, da violência e da despudorada mentira.

 

(Fotos e cartoon DR)

Gosto do artigo
Palavras-chave
Publicado por
Publicado em Editorial