A privatização das águas, esse estranho negócio

Perante esta consciencialização do ónus que a privatização das águas públicas carreou para os munícipes, estranho é que ainda possam existir autarcas que encaram essa situação como plausível. Plausível e milagrosa...

  • 13:25 | Terça-feira, 13 de Outubro de 2020
  • Ler em 2 minutos

Um pouco por todo o país, nos concelhos onde a água foi privatizada, se elevam coros de protestos cada vez mais generalizados.

Sem excepção, onde tal foi concretizado, esse bem público natural e essencial encareceu desregulada e significativamente.

O distrito de Viseu é bem o apanágio disso, com a entrega da gestão de águas, saneamentos e resíduos urbanos, em vários concelhos, a uma sociedade anónima, as Águas do Planalto.

O absurdo desta situação são os contratos dilatados por períodos de 30 ou mais anos, dos quais os autarcas vindouros têm de sofrer as consequências, deles não tirando proveitos, antes colhendo o descontentamento crescente dos utentes, os principais lesados.

De tal forma esse descontentamento subiu de tom que, autarcas como o actual de Gondomar, Marco Martins, que viu o contrato ser feito por Valentim Loureiro, ao tentar negociar, deparou com cláusulas leoninas que empurram para os 150 milhões de euros a sua resolução.

Ler mais aqui: https://www.ruadireita.pt/editorial/o-obsceno-negocio-da-agua-33423.html

Nesse sentido o FAM, Fundo de Apoio Municipal, disponibiliza-se a conceder empréstimo às autarquias que queiram resgatar esses contratos. O Orçamento de Estado para 2021 prevê-o, com o intuito de libertar os municípios desses contratos trazendo esses serviços, de novo, para a gestão pública.

Assim reza o OE “Em 2021, o FAM pode conceder empréstimos para pagamento a concessionários decorrente de resgate de contrato de concessão de exploração e gestão de serviços municipais de abastecimento público de água, de saneamento de águas residuais ou de gestão de resíduos urbanos”.

Perante esta consciencialização do ónus que a privatização das águas públicas carreou para os munícipes, estranho é que ainda possam existir autarcas que encaram essa situação como plausível. Plausível e milagrosa, pois decerto lhes resolvem pontuais e presentes problemas de solvência e de exequibilidade financeira, deixando os ónus para o futuro e, com um pouco de sorte e hábil negociação, ainda se podem arranjar uns lugares muito bem remunerados nos conselhos de administração das empresas concessionadas.

As Águas de Viseu tiveram, têm ou terão essa pretensão?

 

Gosto do artigo
Palavras-chave
Publicado por
Publicado em Editorial

Office Lizenz Kaufen Windows 10 pro lizenz kaufen Office 2019 Lizenz Office 365 lizenz kaufen Windows 10 Home lizenz kaufen Office 2016 lizenz kaufen office lisans satın al office 2019 satın al