Tanto Almeida já enjoa!

por Paulo Neto | 2019.12.13 - 16:27

Não há jornal em que se pegue, TV que se veja, rádio que se ouça… que não fale em António de Almeida Henriques, o presidente da Câmara Municipal de Viseu.

A título de aleatório exemplo deixam-se alguns dos títulos da CS nacional e até estrangeira, como a Time24News...

Almeida Henriques suspeito de receber avença enquanto esteve no Governo por favores a empresário

Almeida Henriques suspeito de receber avença por favores a empresário

Almeida Henriques, ex-secretário de Estado e atual autarca de Viseu acusado de favorecimento ilegal

Almeida Henriques, presidente da Câmara de Viseu, está sob suspeita de ter facilitado negócios enquanto foi secretário de estado

Almeida Henriques apela ao “princípio da presunção de inocência”

Almeida Henriques suspeito de tráfego de influências

Presidente da Câmara de Viseu investigado por prevaricação

Autarca de Viseu ajudou amigo empresário a não devolver fundos comunitários

Almeida Henriques investigado por ligações à corrupção no Turismo

Almeida Henriques suspeito de “ligações perigosas” ao empresário José Agostinho

Autarca de Viseu, Almeida Henriques investigado pela PJ

Almeida Henriques, presidente da Câmara de Viseu, está sob suspeita de ter facilitado negócios enquanto foi secretário de estado

Almeida Henriques, mayor of Viseu, suspected of facilitating business while secretary of state

(…)

De um dia para o outro, o autarca que fazia gala em afirmar que “quem não comunica não existe”, virou star news em todos os órgãos de comunicação social portuguesa e até no estrangeiro.

O seu ex-assessor press na sE da Economia e Desenvolvimento Regional, Jorge Sobrado, por muito mérito que detenha, largos conhecimentos na CS, gordas verbas para gastar… nunca conseguiria atingir tão alto ranking de popularidade. Até parece que de um “mago da bola” ou de uma “rock star” se trata. Torna-se até enjoativo/cansativo abrir a net para aceder ao que pelo mundo se passa e, como uma virose, colarem-se no ecrã dezenas de notícias sobre o autarca viseense.

Também Viseu, a cidade, aparece com destaque a todo este sururu ligada. Não como a tal smart city, a melhor cidade para viver, ou a capital ecológica, et all, mas antes como a cidade onde todos estes actos acontecem, por suspeita de envolvimento do “boss” local.

Todavia, se fixa os holofotes na terra que viu Grão Vasco nascer, fá-lo por indesejados motivos, carreando em si uma conotação altamente negativa e fazendo surgir Viseu como um local onde as coisas más acontecem.

Viseu merecia melhor. Viseu não é coutada nem feudo de ninguém desde a Idade Média (que me perdoem os historiadores…). Tão pouco de grupos económicos que podem parecer ser os DDT.

Porque somos optimistas pensamos que este quase “état de siège” é passageiro e que, após toda esta procela, Viseu voltará a ser uma cidade bonançosa, de referência pelas suas gentes hospitaleiras e honestas, pelo seu património, pela sua gastronomia… não pelos festivais tinto-brancos, quejandos e similares onde sistematicamente amesandam refastelados os costumeiros agamelados da circunstância e do “está-a-dar”.

http://videos.sapo.pt/QSVqaDDZoOZvVO2UK6T3?jwsource=cl&fbclid=IwAR35jOi4z9Xy7IelT4qU53x-cH-qfHtmfE44NAXe3Ypab–5JcNSW1CiroM

Paulo Neto

(Foto e video DR)