Diabéticos com recomendação para vacinação contra a Pneumonia

Sabemos que a Diabetes diminui as defesas do hospedeiro e que cria condições para a infeção por bactérias como o pneumococo. Um estudo a 4 anos (2009 a 2012) revelou que a prevalência da Diabetes nos doentes internados com Pneumonia, uma das formas mais graves e comuns da doença era, no mínimo, o dobro a duas vezes e meia, quando comparada com a população que não sofria da doença.

Tópico(s) Artigo

  • 22:25 | Terça-feira, 14 de Julho de 2020
  • Ler em 2 minutos

Em concordância com a Direcção-geral da Saúde (DGS), a Sociedade Portuguesa de Endocrinologia Diabetes e Metabolismo considera que este grupo corre risco acrescido de contrair infeções graves e potencialmente fatais como a Sepsis, a Meningite ou a Pneumonia, e que por isso deve ser vacinado. Os números são claros: uma pessoa com Diabetes tem, no mínimo, duas vezes mais probabilidade de contrair Pneumonia. Um doente com Pneumonia que tenha Diabetes fica internado, em média, mais um dia do que um indivíduo que não sofra da doença. A mortalidade, nestes casos, também é superior.

A decisão da SPEDM baseou-se no risco acrescido que pessoas com Diabetes apresentavam em contrair Pneumonia e outras formas graves de Doença Invasiva Pneumocócica, no elevado risco de mortalidade, nas potenciais sequelas e nos próprios custos dos tratamentos.

Sabemos que a Diabetes diminui as defesas do hospedeiro e que cria condições para a infeção por bactérias como o pneumococo. Um estudo a 4 anos (2009 a 2012) revelou que a prevalência da Diabetes nos doentes internados com Pneumonia, uma das formas mais graves e comuns da doença era, no mínimo, o dobro a duas vezes e meia, quando comparada com a população que não sofria da doença. O mesmo estudo revelou que pequenos aumentos da incidência de Diabetes estavam associados a um aumento mais significativo da prevalência da Pneumonia na população internada, e que um doente com Pneumonia que também sofresse de Diabetes ficava, em média, mais um dia internado do que um indivíduo sem a doença.

Também a mortalidade se revelou superior nestes casos. De 13,5% registada nas pessoas sem Diabetes, passava para 15,2% nas que tinham ambas as morbilidades.

Ou seja, provou-se que as pessoas com Diabetes morrem mais de Pneumonia e que, mesmo quando sobrevivem, o seu internamento é mais prolongado. A vacinação é a forma mais eficaz de prevenirmos esta e outras doenças graves e está agora recomendada pela SPEDM.

“Existe uma norma da Direção-geral da Saúde que recomenda a vacinação antipneumocócica a todos os adultos (idades superiores a 18 anos) pertencentes aos grupos de risco. É com enorme satisfação que assistimos ao reforço desta recomendação pela SPEDM a um grupo que nos é tão próximo. A prova de que vale a pena apostar na sensibilização e na divulgação de informação junto da comunidade, seja através da FPAD, ou do MOVA”, explica Emiliana Querido, presidente da FPAD – Federação Portuguesa das Associações de Pessoas com Diabetes, uma das 15 associações que integram o MOVA.

“É fundamental sensibilizar as pessoas. Dotá-las de conhecimento. Sabemos que 9 em cada 10 adultos com mais de 50 anos não estão vacinados contra a Pneumonia, e que a maioria não o faz por falta de aconselhamento médico. Trabalhamos, diariamente, para inverter esta tendência e contribuir para a melhoria da esperança e da qualidade de vida da população. Tomadas de posição como esta da SPEDM são excelentes notícias, fundamentais para a redução da mortalidade por doenças preveníveis por vacinação”, conclui Isabel Saraiva, presidente da Respira e fundadora do MOVA.

 

Gosto do artigo
Palavras-chave
Publicado por
Publicado em Última Hora
mersin escort porno porno izle sex hikayeleri maltepe escort pendik escort izmit escort