A poluição no Rio Criz: “a água que bate nas pedras”

A poluição com origem em Tondela pode estar a afetar as populações até Coimbra. Foram identificados problemas biológicos na Albufeira da Aguieira,

  • 21:37 | Terça-feira, 12 de Maio de 2020
  • Ler em 2 minutos

Arrasta-se penosamente a resolução da poluição do Rio Criz, em Dardavaz.

A Câmara Municipal de Tondela parece não ter vontade (ou será capacidade?) de resolver este assunto que tem sido motivo de diversas queixas e se arrasta há demasiado tempo, causando danos aos moradores, segundo os próprios. Além disso, a poluição já estará a causar também danos a jusante, na Albufeira da Aguieira, segundo o Movimento Água de Dardavaz.

Imputando esta poluição a descargas ilegais, mais referem elas serem do conhecimento da autarquia tondelense que nada faz para resolver a este problema.

Corre neste momento uma petição que visa atingir as 4.000 assinaturas para enviar a todos os órgãos de representação locais e nacionais.

O Movimento Água de Dardavaz refere sobre o assunto:

“Nem mesmo perante a emergência pandémica a poluição do Rio Criz em Dardavaz, Tondela, diminui.

A poluição com origem em Tondela pode estar a afetar as populações até Coimbra. Foram identificados problemas biológicos na Albufeira da Aguieira pelo plano de Gestão da Bacia Hidrográfica do Mondego, onde o não tratamento físico-químico da Etar de ZIM da Adiçã e das descargas ilegais para as águas pluviais poderão estar a contribuir para uma carga acrescida de CBO5.

Nem mesmo a pandemia veio reduzir a poluição, antes pelo contrário, em pleno estado de emergência e em período de quarentena, as descargas ilegais no coletor de águas pluviais foram diárias, assim como os rejeitados da ETAR do município sem tratamento.

A ETAR continua a rejeitar águas residuais fora dos parâmetros estipulados por lei. Podemos mesmo verificar muita espuma à superfície da água após rejeição, perto do Rio Criz, sinal evidente de contaminação dos recursos hídricos e falta de oxigênio nos rejeitados.

O município de Tondela até ao momento continua sem agir, não se verifica qualquer alteração na situação ambiental de Dardavaz, uma vez que as descargas ilegais continuam a acontecer e a ETAR continua sem fazer o tratamento físico-químico dos afluentes.

O que provoca esta poluição não é a “água a bater nas pedras” como diz Sr. Presidente da Câmara de Tondela. Estamos perante um dos maiores atentados ambientais da região centro no que diz respeito a contaminação de recursos hídricos com impactos evidentes também a montante da povoação de Dardavaz.

O movimento Água de Dardavaz lamenta mais uma vez a falta de consciência ambiental do Município de Tondela, onde claramente não se aposta em soluções sustentáveis.”

Gosto do artigo
Palavras-chave
Publicado por
Publicado em Última Hora