A luta de Sernancelhe contra a Covid 19… um exemplo a seguir

Realizamos, em cinco dias, 3350 testes rápidos. Registámos 156 casos positivos e identificámos um surto num lar, que foi, de imediato, comunicado à Autoridade de Saúde Pública, com a qual realizamos testes PCR a todos os utentes e funcionários do Lar. Dos 26 testes realizados, 24 eram positivos.

  • 17:40 | Domingo, 24 de Janeiro de 2021
  • Ler em 4 minutos

A ‘Rua Direita’ tentou entrevistar Carlos Silva Santiago, presidente da Câmara Municipal de Sernancelhe e presidente da CIM DOURO, o qual, apesar da titânica luta que tem travado com o seu executivo contra a COVID 19, nos remeteu para um operacional no terreno, o médico-coordenador do Camião da Esperança, Alexandre Marques, alegando não ser tempo de entrevistas nem desejar qualquer protagonismo à custa da desgraça colectiva.

 


RD: Sernancelhe tem sido uma autarquia que se tem distinguido pelo seu empenho na luta contra a pandemia criada pelo vírus Covid 19. Quais as medidas concretas implementadas no terreno?

AM: Realização de testes rápidos a toda a população. A realização do teste é voluntária, por isso, apesar do objectivo total ser superior a 4100 testes, é natural que tenha ficado um pouco abaixo desse valor. Algumas pessoas podem já ter realizado o teste, e outras optam pelo isolamento, o que também é positivo.

RD: Que resultados obtiveram?

AM: Realizamos, em cinco dias, 3350 testes rápidos. Registámos 156 casos positivos e identificámos um surto num lar, que foi, de imediato, comunicado à Autoridade de Saúde Pública, com a qual realizamos testes PCR a todos os utentes e funcionários do Lar. Dos 26 testes realizados, 24 eram positivos.

RD: Que acções desenvolveram para combater esses resultados?

AM: Identificar todos os casos positivos é essencial para os poder isolar e acompanhar, para além de tornar possível identificar eventuais contactos, dentro e fora do Concelho, e dessa forma alargar o impacto e a relevância desta missão. Fizemos um forte apelo, pessoalmente, a cada pessoa que realizou o teste, sobre a necessidade do isolamento, de respeitar as regras, sem desculpas, e em caso de confinamento obrigatório, tentamos explicar a cada um o processo que se segue e a necessidade de serem ainda mais rigorosos no cumprimento dos mesmo. Do Município ficou-nos a garantia que vão acompanhar cada caso de forma próxima, de forma a garantir que cada munícipe tem o acompanhamento necessário em tempo oportuno.

RD: Quais os resultados concretos delas obtidos?

AM: Os resultados concretos desta missão serão visíveis no espaço de uma ou duas semanas. Dependem dos cidadãos, no cumprimento das regras de isolamento e confinamento, difícil de cumprir pelas especificidades desta região e das sua comunidades, mas também das autoridades, estatais e locais, em cumprirem as suas obrigações. O Estado deve prestar mais atenção a estes territórios e responsabilizar-se pela catástrofe que aqui permitiu, assegurando meios de saúde pública para acudir às populações, incluindo o acompanhamento psicológico, e o rápido acesso aos recursos hospitalares. Ao Poder Local compete cumprir o que tem feito até aqui, acompanhar de perto estas pessoas e assegurar, no limite das suas capacidades, que todos os munícipes são acompanhados e cumprem as regras.

RD: Se os testes que fizeram em toda a população fossem seguidos por outros concelhos, os dados reais da pandemia seriam os mesmos?
AM: Não. Os dados dos assintomáticos, dos jovens, das crianças, e dos próprios idosos que nunca foram testados, teriam um peso considerável nos resultados finais. Face à evidência que observámos no terreno e ponderando a particularidade da amostra, em termos de localização e faixa etária, o número de casos em Portugal pode ser muito superior às cinco vezes mais que alguns estudos indicam.

RD: Esta situação, por analogia primária, faz-me lembrar os incêndios. Um proprietário desmatagou os seus pinhais. Ao lado, outro proprietário deixou o seu por limpar. O fogo destruiu ambos. Com o Covid 19 e a nível de territórios vizinhos passa-se o mesmo?

AM: Naturalmente. As pessoas circulam. O vírus circula com as pessoas. Na nossa sociedade, focada no ‘eu’, o indivíduo tem muita dificultada em respeitar o espaço do ‘outro’. Parece-me uma das razões pelas quais alguns países nórdicos, os países árabes e a própria Nova Zelândia, com a sua cultura comunitária, tiveram sucesso no controlo da pandemia, protegeram a sua comunidade em detrimento de quem vinha de fora.

RD: De que forma obviar a essa fatal vizinhança?

AM: Fechando fronteiras, identificando surtos e interrompendo as cadeias de transmissão. Se todos tivéssemos seguido a estratégia da Nova Zelândia, o problema do vírus estava resolvido há meses. Se o Governo da Madeira ou dos Açores, ou mesmo um município do Interior, tivesse a possibilidade de fechar as suas fronteiras, implementar os cercos sanitários, ou simplesmente regular as entradas através de períodos de quarentena obrigatórios, hoje, nesses territórios, o vírus não teria relevância em termos de disseminação na comunidade. Provavelmente nem existiriam casos.

RD: Os concelhos limítrofes de Sernancelhe implementaram as mesmas medidas sanitárias profilácticas?

AM: Penendono e São João da Pesqueira são os únicos Municípios em que já temos intervenções agendadas, mas há outros municípios interessados.

RD: Que comentário e conselho deixa aos nossos leitores?

AM: É um esforço que todos temos que fazer. Não se trata de restringir, mas de garantir que, em breve, todos podemos beneficiar da vida de forma plena, vivendo em harmonia com a nossa comunidade, com a nossa terra, respeitando tudo o que nos rodeia. Espero que as pessoas respeitam o isolamento, cumpram as regras para podermos celebrar a vida o mais rápido possível.

Gosto do artigo
Palavras-chave
Publicado por
Publicado em Última Hora

Office Lizenz Kaufen Windows 10 pro lizenz kaufen Office 2019 Lizenz Office 365 lizenz kaufen Windows 10 Home lizenz kaufen Office 2016 lizenz kaufen office lisans satın al office 2019 satın al follower kaufen instagram follower kaufen