Vamos falar a sério sobre os números da infecção sobre o Covid-19

Mais vale uma verdade dura que uma mentira adocicada. Tal como afirmou o Primeiro-Ministro, António Costa, " todos esperamos o melhor mas devemos estar preparados para o pior".

Tópico(s) Artigo

  • 22:10 | Sexta-feira, 20 de Março de 2020
  • Ler em 2 minutos

O Presidente da República, na última comunicação ao País, disse-nos que deveríamos falar verdade.

É o que vou fazer a partir de hoje.

Terminou o tempo do politicamente correcto.

Sei que me vão trucidar na praça pública mas vou passar a escrever em função do que me dita a minha consciência.

Mais vale uma verdade dura que uma mentira adocicada. Tal como afirmou o Primeiro-Ministro, António Costa, ” todos esperamos o melhor mas devemos estar preparados para o pior”.

Os portugueses têm que saber o que os pode esperar.

Vamos aos números deste gráfico abaixo que faz a previsão da evolução da infecção até ao dia 31 de Março.

Até hoje infelizmente a pandemia tem avançado por números próximos das piores previsões do gráfico.

Tomando como referência a estatística da forma de tratamento da doença da DGS (80+15+5) poderemos ter a 31 de Março, pelas piores estimativas do gráfico, cerca de 2500 pessoas a necessitarem de serem tratadas em Unidades de Cuidados Intensivos.

Nesta mesma data cerca de 16500 pessoas deverão precisar de serem tratadas em hospitais.

Infelizmente parece-me que a evolução não vai ser muito diferente até 28/29 de Março que será a data que, em princípio, começará a produzir resultados a quarentena voluntária dos portugueses.

Não posso terminar sem agradecer penhoradamente a todos os profissionais que trabalham na área saúde que todos os dias colocam as suas vidas em risco para salvarem outras vidas.

Espero sinceramente que esteja muito enganado porque o que mais desejo é que não existam vítimas mortais mas não podia em consciência deixar de escrever o meu pensamento sobre esta trágica situação que abala o nosso país e o mundo.

Proteja-se a si porque assim está a proteger os outros. Há falta de medicamentos eficazes e da vacina acredite que esta é a única forma de combater o COVID-19.

Gosto do artigo
Palavras-chave
Publicado por