Três coisas que importam: ciência, democracia e cultura

Por outro lado, as vacinas vieram também desvelar posições e discursos conspiratórios, anticiência e, geralmente, autoproclamados apartidários. Tal é resultado não só de uma crescente descrença e desinteresse na novela política e nos seus atores, como também de uma ciência que vive longe dos pretensos ideais de objetividade e neutralidade

Tópico(s) Artigo

  • 16:47 | Sexta-feira, 08 de Janeiro de 2021
  • Ler em 2 minutos

Ainda o ano vai nos primeiros dias e já está marcado por três assuntos, por três coisas que importam: ciência, democracia e cultura.

Começando pela ciência: a vacinação contra a Covid-19 é real e segue caminho. Mas o que poderia, muito simplesmente, ser um sinal de esperança depois de meses com a realidade virada do avesso, está a ser muito mais do que isso, para o bem e para o mal.

Por um lado, a rapidez aparente com que se conseguem vacinas, resulta do trabalho científico desenvolvido, mas invisível, durante longos anos. Que tal sirva para nos mostrar o que habitualmente não vemos: o mérito de cientistas e ciência, bem como a necessidade e pertinência de investimento numa área e em profissionais por vezes muito mal tratados.

Por outro lado, as vacinas vieram também desvelar posições e discursos conspiratórios, anticiência e, geralmente, autoproclamados apartidários. Tal é resultado não só de uma crescente descrença e desinteresse na novela política e nos seus atores, como também de uma ciência que vive longe dos pretensos ideais de objetividade e neutralidade. A ciência tem vindo a ser orientada por políticas científicas que priorizam o lucro em detrimento do bem comum ou do enriquecimento humano. Políticas científicas que cada vez mais se orientam pela bússola meramente dos interesses económicos e capitalistas.

Passando à segunda coisa que importa: democracia. Esta semana assistimos às notícias da invasão do Capitólio por apoiantes de Trump, com o objetivo de impedir a ratificação de resultados eleitorais, num ataque direto e violento contra a democracia, que mais não é do que o resultado da normalização da extrema direita.

Que este episódio, que apesar de inusitado, infelizmente, pouco espanta, sirva de alerta para o momento de política nacional que vivemos. Em pleno período que antecede a campanha e as eleições para a Presidência da República, vemos as presidenciais resumidas a rankings, questionáveis em vários aspectos e, como habitualmente, propícios a interpretações falaciosas, e a debates que, apesar de entreterem, pouco serviço têm prestado quanto a um cabal esclarecimento sobre quais as políticas, posições, ou proposta de mandato presidencial das candidatas e candidatos.

Que sirva o exemplo norte-americano para esclarecer qual a ameaça, real, aos direitos, à liberdade e à igualdade, que esclareça sobre qual o nível total de desrespeito aos valores democráticos, que a normalização e aceitação da extrema direita representam.

Passando ao terceiro assunto: Cultura. Perdemos logo no primeiro dia do ano Carlos do Carmo. O consensual valor da sua obra e o que representa para o país, é sintoma de qual deve ser a importância da cultura, como fator agregador e construtor de identidade, mas também de gatilho para a reflexão crítica do que nos rodeia.

Carlos do Carmo ensaiou uma identidade para a cidade de Lisboa, “menina e moça”, mas cantou também a liberdade, e a esperança que nunca morre que nela habita, pois como diz o povo, “Por morrer uma andorinha sem amor/ Não acaba a primavera”.

Ciência, democracia e cultura são assim três coisas, que importam, que se interligam e que são nosso dever e direito. Devemos valorizá-las, defendê-las, mantê-las vivas e fortes, cuidá-las, para que não nos sejam roubadas, sem que se dê conta.

office 2016 lizenz kaufen

Gosto do artigo
Palavras-chave
Publicado por
Publicado em Opinião

Office Lizenz Kaufen Windows 10 pro lizenz kaufen Office 2019 Lizenz Office 365 lizenz kaufen Windows 10 Home lizenz kaufen Office 2016 lizenz kaufen office lisans satın al office 2019 satın al