Tempos Duros na República das Bananas

Quando os militares fantoches foram substituídos por Jacobo Árbenz, um reformista, a Fruteira, isenta de impostos, senhora de milhares de hectares de terra, detentora do monopólio das bananas, utilizadora de uma imensa mão de obra escrava, sentiu-se ameaçada em parte dos arquimilionários lucros.

Tópico(s) Artigo

  • 17:48 | Sábado, 26 de Dezembro de 2020
  • Ler em 3 minutos

Mario Vargas Llosa nasceu no Perú em 1936. Prémio Nobel da Literatura, para além de escritor foi jornalista, professor, político.

O seu último título “Tempos Duros”, em Portugal chancela da Quetzal, 2020, não é um romance, mas sim uma narrativa de jornalismo de investigação com recurso a dados históricos e a entrevistas com algumas das personagens que nele perpassam.

Estamos na Guatemala, que deu origem à expressão “república das bananas”, por mérito de uma multimilionária empresa USA, a “United Fruit”, (na América Latina também designada de a Fruteira ou o Polvo) de um fulano chamado Sam Zemurray, que tinha descoberto o ouro na importação para o seu país das bananas guatemaltecas.


A United Fruit tinha como representantes legais dois advogados norte-americanos, os irmãos republicanos John Foster e Allen Dulles da firma Sullivan & Cromwell, mais tarde secretário de Estado e director da CIA, respectivamente.

Quando os militares fantoches foram substituídos por Jacobo Árbenz, um reformista, a Fruteira, isenta de impostos, senhora de milhares de hectares de terra, detentora do monopólio das bananas, utilizadora de uma imensa mão de obra escrava, sentiu-se ameaçada em parte dos arquimilionários lucros.

Assim, com a ajuda de Edward L. Bernays que se intitulava o “Pai das Relações Públicas”, decidiram investir milhões em notícias que davam como certo o domínio comunista na Guatemala e, daí, a sua possível irradiação a toda a América Latina e aos EUA.

Compraram a comunicação social progressista norte-americana e os políticos em tempos de macarthismo e “caça às bruxas”, arquitectaram uma campanha de fake news visando a deposição de Árbenz e a sua substituição por Castillo Armas, um coronel da ultra-direita, manipulado pela CIA, personificada nas figuras do embaixador John Purefoy e do “tenente-coronel à pressão” J. Abbes Garcia, Chefe das secretas de Trujillo e um mercenário a soldo de quem mais lhe pagasse, desde Trujillo, a Papa Doc.

 

 

Do “ministro general”, mestre requintado na arte da tortura, o coronel Enrique Trinidad Oliva, à amante de Castillo Armas, Marta Borrero Parra, na era de Eisenhower, por estas páginas sucedem-se uns e outros no exercício terrível do terrorismo político a soldo dos EUA e por eles pago.

 

“Tempos Duros” é um notável trabalho de investigação jornalística centrado na Guatemala de 1954, que contribui para a desmistificação da democracia norte-americana, mostrando a sua intervenção em sucessivos golpes de estado, ao serviço de inconfessáveis interesses e de empresas multimilionárias que suportam as campanhas eleitorais dos líderes reconhecidos.

A ler, com urgência…

 

(Todas as fotos com DR)

Gosto do artigo
Palavras-chave
Publicado por
Publicado em Opinião

Office Lizenz Kaufen Windows 10 pro lizenz kaufen Office 2019 Lizenz Office 365 lizenz kaufen Windows 10 Home lizenz kaufen Office 2016 lizenz kaufen windows lisansları windows 10 pro satın al follower kaufen instagram follower kaufen porno