Os factos de Agosto

Deixem-me rematar o mês de Agosto de 1942. Raras vezes medito na escolha dos assuntos que dão a passagem do tempo. Para lá das corridas de bicicletas travadas nas estradas bairradinas, nada encontro de firme. E no entanto as minhas preferências têm pouco de casual. Os existencialistas falavam do homem e da sua condição. Podiam […]

  • 1:56 | Domingo, 10 de Novembro de 2019
  • Ler em 2 minutos

Deixem-me rematar o mês de Agosto de 1942. Raras vezes medito na escolha dos assuntos que dão a passagem do tempo. Para lá das corridas de bicicletas travadas nas estradas bairradinas, nada encontro de firme. E no entanto as minhas preferências têm pouco de casual. Os existencialistas falavam do homem e da sua condição. Podiam ter exemplificado com o ciclista. Ele sente que nunca sai da bicicleta porque, uma vez nela, parece que nunca a abandonou. «Outra vez arroz?», costuma perguntar o Informático Motard na Primavera, quando se sucedem as subidas ao Moinho do Pisco.

Em Agosto, Churchill foi a Moscovo para se encontrar com Estaline. Descreveu-lhe a casa de campo, espaçosa, bela, ajardinada, com um bosque e uma cerca de quatro metros e meio de altura. Informou-o sobre a abertura de uma segunda frente de combate aos alemães no norte de África. Enfureceu-se com as suas observações corrosivas. Viu-se obrigado a participar num banquete de dezanove pratos no Kremlin, onde um leitão permaneceu intacto sobre a mesa.

Enquanto estas coisas se passavam longe, alguns desportistas escreviam sobre «espírito desportivo e paixão no desporto». Num mundo em violência extrema, Salazar Carreira faz a «apologia do desporto apaziguador de paixões», sabendo perfeitamente que é a cólera que prevalece. O desporto acalma os praticantes se a paixão competitiva não os exaltar. «A essência do desporto é a lealdade, o idealismo e o brio», diz este terno pensador, enquanto outros sublinham as estatísticas do predomínio desportivo alemão e, na União Soviética, se movem as peças para a Batalha de Estalinegrado.

No dia 30, disputaram-se no Porto as «duas horas à americana», competição que desconheço e portanto não sei explicar. A Voz Desportiva noticiou de imediato, numa nota quase invisível no fim da terceira coluna da página quatro, que «Armando Esteves e Manuel Herdeiro, do Sangalhos, foram os vencedores, com absoluto merecimento».

Nuno Rosmaninho

Gosto do artigo
Publicado por
Publicado em Opinião
mersin escort porno porno izle sex hikayeleri maltepe escort pendik escort izmit escort