Os Direitos Humanos

Usando a imagem da justiça, de bandeja na mão, onde num prato estão os direitos de uns “proprietários” e no outro, as condições de vida diária e a saúde de outros seres humanos (são seres humanos, não são?), o Bastonário acha, e falamos de direitos humanos, que a balança pende para os “proprietários”. Talvez Menezes Leitão esteja a confundir a Ordem dos Advogados com a Associação Lisbonense de Proprietários. Um erro que, seguramente, pode acontecer a todos.

  • 11:40 | Quinta-feira, 06 de Maio de 2021
  • Ler em 2 minutos

A Declaração Universal dos Direitos Humanos, adoptada pelas Nações Unidas a 10 de Dezembro de 1948 estipula que “todos os seres humanos nascem livres e iguais em dignidade e em direitos. Dotados de razão e de consciência, devem agir uns para com os outros em espírito de fraternidade.

Que lindo, não é?

Recentemente o Bastonário da Ordem dos Advogados, a propósito da intenção do Estado requisitar temporariamente alguns espaços do ZMar para abrigar trabalhadores agrícolas do Concelho de Odemira, que vivem em condições indignas e propiciadoras à disseminação da COVID-19, veio a terreiro (até se deu ao trabalho de que não fosse o Terreiro do Paço), assegurar que tal requisição “violava os direitos humanos”.


Usando a imagem da justiça, de bandeja na mão, onde num prato estão os direitos de uns “proprietários” e no outro, as condições de vida diária e a saúde de outros seres humanos (são seres humanos, não são?), o Bastonário acha, e falamos de direitos humanos, que a balança pende para os “proprietários”. Talvez Menezes Leitão esteja a confundir a Ordem dos Advogados com a Associação Lisbonense de Proprietários. Um erro que, seguramente, pode acontecer a todos.

E “proprietários” e não proprietários porque razão? É que o ZMar, aparentemente, foi licenciado em reserva agrícola e ecológica, como parque de campismo. Também alegadamente houve o chico-espertismo de transformar uns bungalows em “habitação permanente” mediante um pagamento mensal. Algo que, alegadamente, serve para contornar a impossibilidade de alguém, naqueles terrenos, construir habitação própria. A “violação” é de tal ordem que o Zmar até vende o serviço de subalugar estas “habitações” a terceiros para “rentabilizar” o investimento. Não há, portanto, habitação permanente ali.

Acresce a este chorrilho de inovações que o ZMar aparenta ter uns 30 milhões de euros de dívidas (depois de receber milhões de fundos comunitários para construir habitação própria?) e que o maior credor é o Estado.

Ao que parece a solução para controlar as infecções em Odemira, passou por requisitar bungalows que estão permanentemente arrendados (e a que os arrendatários julgam ter direitos eternos) e o Sr. Bastonário, que nada disse sobre as condições indignas do trabalho daquelas pessoas, opta por vir falar em violação, espante-se, dos direitos humanos. Estamos, não haja dúvida, bem servidos. Especialmente os advogados.

No meio disto tudo a Comissão dos Direitos Humanos da Ordem dos Advogados, presidida pelo Presidente da Assembleia Municipal de Torres Vedras, está muda e calada. Se calhar concorda.

 

 

(Foto DR)

Gosto do artigo
Palavras-chave
Publicado por
Publicado em Opinião

Office Lizenz Kaufen Windows 10 pro lizenz kaufen Office 2019 Lizenz Office 365 lizenz kaufen Windows 10 Home lizenz kaufen Office 2016 lizenz kaufen windows lisansları windows 10 pro satın al follower kaufen instagram follower kaufen porno