Burro velho aprende línguas

Eu, hipocondríaco e claustrofóbico, vejo-me à nora para lidar saudavelmente com estas entropias, que me tolhem as esperanças e me furtam o remanso que, talvez abusadoramente, já adoptara.

Tópico(s) Artigo

  • 20:26 | Sexta-feira, 03 de Abril de 2020
  • Ler em < 1

A duas semanas do início das férias da Páscoa e com um curto 3.º período pela frente, preparava-me eu para sair discretamente e de fininho desta actividade que me consome há 44 anos e 8 meses, e acelerar com todos os pedais, rumo à almejada aposentadoria, agendada para Outubro. Planos e futuros eram, e ainda são, materiais que abundavam nas minhas inflamadas cogitações.

Foi quando, inesperadamente, a pandemia caiu sobre nós, impondo distâncias, destruindo rotinas, pondo à prova a resiliência de cada um e colando enormíssimas dúvidas sobre o futuro ainda mais interrogado.

Eu, hipocondríaco e claustrofóbico, vejo-me à nora para lidar saudavelmente com estas entropias, que me tolhem as esperanças e me furtam o remanso que, talvez abusadoramente, já adoptara.

Habituado a olhar os alunos de frente e a sentir a energia a pulsar dentro da sala de aula, vejo-me agora com 64 risonhas primaveras a ter de me render às TIC e a reverter procedimentos.

E estou a aprender, fazendo, errando e acertando. Nunca desistindo, mesmo que me apeteça, e não são poucas as vezes que o pecado me tenta. Novidade, é lidar com o ensino à distância e com o teletrabalho, comunicar por videoconferência, usar os chats e plataformas digitais, recorrer a ferramentas tecnológicas de que jamais tinha ouvido referências, breves que fossem.

Não está a ser fácil, mas com jeito, vou-me ajeitando.

Entretanto, tudo isto para augurar que as dificuldades sentidas por todos sejam a oportunidade para refrescar o corpo docente, repensar os modelos de ensino-aprendizagem, acolher outras metodologias de avaliação, diminuir o abandono escolar. E construir uma escola nova.

Da minha parte, sinto que, contrariando o aforismo, burro velho ainda aprende línguas.

Depende muito do ensinador.

Quanto mais não seja, aparelhando a carga do animal à vontade do dono.

Gosto do artigo
Palavras-chave
Publicado por
Publicado em Opinião