15 de Março: a greve pelo Futuro

Hoje é dia de dar a palavra aos mais novos:   Os nossos líderes, tanto portugueses como à escala mundial, falharam-nos. Agem de uma forma egoísta e despreocupada, e não são capazes de responder com eficiência e urgência à crise climática que aumenta todos os dias diante dos nossos olhos. Esta é a nossa maneira […]

  • 10:37 | Segunda-feira, 25 de Fevereiro de 2019
  • Ler em 2 minutos

Hoje é dia de dar a palavra aos mais novos:

 

Os nossos líderes, tanto portugueses como à escala mundial, falharam-nos. Agem de uma forma egoísta e despreocupada, e não são capazes de responder com eficiência e urgência à crise climática que aumenta todos os dias diante dos nossos olhos.

Esta é a nossa maneira de exigir que nos ouçam de uma vez por todas.

Objetivos da greve:

Nós, jovens e estudantes, temos de lutar agora e exigir a quem está no poder que dê prioridade absoluta à resolução da crise climática. Não protestamos as alterações climáticas:

Protestamos a inacção por parte dos governos face às alterações climáticas. Esta é verdadeiramente uma luta nossa!

Exigimos ao governo português que faça da resolução da crise climática a sua prioridade.

Fazemos esta greve para chamar a atenção para o problema da crise climática e apelar à sua urgente resolução, de maneira a limitar o aquecimento global a 1.5ºC, como acordado internacionalmente.

O movimento é internacional. Todos temos uma meta comum: acção governamental prioritária no que diz respeito às alterações climáticas. Porém, cada país tem as suas metas mais concretas.

É importante cumprir o Acordo de Paris e as metas estabelecidas pela União Europeia, mas isso é apenas um pequeno começo.

Para evitarmos a catástrofe climática, medidas mais sérias e urgentes necessitam de ser implementadas.

Os estudantes portugueses que fazem greve pelo clima exigem ao governo: a proibição da exploração dos combustíveis fósseis em Portugal; a meta para a neutralidade carbónica ser reduzida para 2030, e não 2050, como previsto pelo governo; expansão significativa das energias renováveis e, particularmente, da energia solar; a produção eléctrica ser 100% assegurada por energias renováveis até 2030; o encerramento das duas centrais eléctricas ainda movidas a carvão (central de Sines e central do Pego) e o melhoramento eficiente e drástico do sistema de transportes públicos, de maneira a que estes possam substituir o uso do transporte particular.

Porquê uma greve?

Tudo começou em Agosto de 2018, quando Greta Thunberg, activista sueca de 16 anos, deu início à sua greve pelo clima, sentando-se todas as sextas-feiras à frente do parlamento sueco. Criou assim o movimento #FridaysForFuture e #SchoolStrike4Climate, que foi crescendo e conta agora com inúmeros países, incluindo manifestações e greves notoriamente grandes na Austrália, Bélgica, Suíça e Alemanha.

Foi convocada uma greve internacional estudantil para o próximo dia 15 de Março, e os estudantes portugueses, em rede com dezenas de outros países pelo mundo e pela Europa, vão participar. Não estamos sozinhos. O objectivo é que nós, os jovens, lutemos pelo futuro do nosso planeta com garra. A greve é uma chamada de atenção eficaz para esta problemática.

Cada participante conta, e muito. Todos juntos conseguimos, e vamos, fazer a diferença. A mudança vem aí, junta-te!

Gosto do artigo
Publicado por