VENCEM, MAS NÃO CONVENCEM

por José Carreira | 2015.08.30 - 19:23

 

 

 

Os principais candidatos a ganhar o campeonato nacional, Benfica e Porto, venceram os seus jogos e somaram os três pontos da terceira jornada da Liga NOS.

O Benfica sofreu para levar de vencida (3-2) a equipa do Moreirense que esteve a ganhar durante muitos minutos no Estádio da Luz.

O Porto venceu o Estoril (2-0), mas não mostrou a superioridade esperada, embora a equipa da linha já tivesse deixado o aviso no jogo que realizou contra o Benfica.

As equipas venceram, mas não convenceram nem os adeptos nem os comentadores e analistas.

Durante ambas as partidas, os espectadores expressaram o seu desagrado perante o que se estava a passar dentro das quatro linhas. Fizeram-se ouvir os habituais assobios, no Porto porque o futebol apresentado não foi de qualidade e em Lisboa porque o resultado, apesar de uma exibição razoável, foi desfavorável aos encarnados durante um longo período do jogo.

Ainda assim, o principal objetivo, a conquista dos três pontos, foi alcançado.

Os treinadores estão instáveis porque os plantéis ainda não estão fechados, sendo possível que ainda possam entrar e/ou sair jogadores. A novela de maior audiência parece ser a da saída / permanência de Nicolas Gaitan, o motor  da dinâmica encarnada. Se sair, será uma perda difícil de colmatar, mais uma enorme dor de cabeça para Rui Vitória. Em situação mais difícil está o seu colega de profissão, Julian Lopetegui, que perdeu muitos jogadores influentes dos quais destaco Oliver, Danilo, Alexsandro e Jackson Martinez.

Azuis e encarnados, graças à paragem do campeonato, terão alguns dias para preparar com mais tranquilidade os próximos desafios.

Entretanto, poderão, hoje, sentar-se confortavelmente na poltrona à espera do jogo Académica – Sporting. O Sporting terá uma deslocação difícil à casa dos estudantes.  Veremos se a equipa leonina já estará recomposta da incapacidade demonstrada na tentativa de aceder à Liga dos Campeões.  A arbitragem foi fraca, mas creio que quem perdeu o jogo foi Jorge Jesus, demonstrando os receios de sempre nestes momentos, aguardando…aguardando e reagindo muito tarde. Jesus, a exemplo do que fez no rival da 2.ª Circular, apanhou-se a ganhar e adoptou uma atitude passiva que se revelou letal.

Se for para levar a sério a ideia de Bruno de Carvalho, corremos o risco de ficar sem árbitros para apitar os jogos e ver os números da  população prisional subir drasticamente. Um golo mal anulado ao Porto e um golo mal validado, por evidente fora de jogo, ao Moreirense contribuiriam pelo menos com quatro presos, os árbitros da partidas e os respetivos fiscais de linha, um por levantar e outro por não levantar a bandeira. Uma ideia absurda que reduz ao ridículo algumas queixas justificadas de lances mal ajuizados que prejudicaram o clube a que preside. Exatamente por esse motivo, porque é o Presidente de uma grande instituição respeitável, não lhe fica bem ter um discurso populista e pacóvio nada condicente com o respeito que o cargo lhe mereceria…