PARA QUANDO, “MUSEU NACIONAL DE GRÃO VASCO”?

por Acácio Pinto | 2014.11.17 - 22:18

 

 

O museu Grão Vasco é um dos ícones culturais maiores da cidade de Viseu, da região e do país, cuja criação remonta a 16 de março de 1916.

Ancorado no pintor quinhentista Vasco Fernandes, o Museu Grão Vasco tem desempenhado a sua relevante missão a partir do intenso dinamismo dos seus dirigentes, dos seus colaboradores e dos seus amigos, de ontem e de hoje.

O seu acervo artístico de excelência, matriz primeira para o seu estatuto museológico, é diversificado, mas é, de facto, a sua coleção de pintura que lhe confere um estatuto maior, sendo mesmo considerada uma das mais relevantes coleções dos designados “primitivos” pintores portugueses, se excluirmos o acervo do Museu Nacional de Arte Antiga. E dentre este acervo sobressai de forma incontornável esse quadro sublime, São Pedro, de Grão Vasco.

Merece ainda uma especial referência o facto de muitos dos bens do Museu Grão Vasco serem efetivos “tesouros nacionais”, ao estarem classificados pela legislação portuguesa como “bens de interesse nacional”.

Importa ainda enfatizar o facto de o Museu Grão Vasco ser o museu diretamente dependente do Estado Português que, depois dos grandes museus nacionais, mais visitantes tem conseguido atrair fora da capital, o que dá bem conta da importância, relevo e visibilidade desta instituição museológica.

Aquilino Ribeiro, esse mago da literatura portuguesa, escreveu em 1937 e cito: “O que é o Museu Grão Vasco? O Museu Grão Vasco não é Viseu; não é a Beira. É Portugal. Mais que Portugal é o mundo, pois que a arte tem feição ecuménica. Regional é-o apenas no rótulo que oficialmente lhe deram”.

Foi, pois, partindo destas palavras de Aquilino Ribeiro que questionei recentemente o secretário de estado da cultura sobre a disponibilidade do governo para classificar o museu Grão como museu nacional de Grão Vasco, dando-se assim corpo à vontade da comunidade local e regional que o atual diretor do museu expressou à tutela, há alguns meses atrás.

Esta classificação era, do nosso ponto de vista, uma mais-valia para o museu e para a região mas também para o conjunto dos museus nacionais que veriam, assim, juntar-se-lhes um museu centenário e detentor de um ímpar espólio museológico.

Deputado do Partido Socialista (PS) na XII Legislatura eleito pelo Círculo Eleitoral de Viseu

Pub